MENU

USP tem aula pública e menor movimento com greve de alunos

USP tem aula pública e menor movimento com greve de alunos

Atualizado: Quinta-feira, 10 Novembro de 2011 as 2:20

Greve de estudantes era discutida na FFLCH nesta manhã (Foto: Juliana Cardilli/ G1) Unidades da Universidade de São Paulo (USP) nas quais os alunos aderiram à greve geral de estudantes decretada em assembleia na terça-feira (8) preparavam na manhã desta quinta-feira (10) ações para o ato que deve reunir estudantes contra a presença da PM no campus em frente à Faculdade de Direito, no Centro da capital paulista, nesta tarde. Na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), primeira a aderir ao movimento, uma aula pública era realizada na Faculdade de Letras nesta manhã.

Cerca de 50 alunos acompanhavam as discussões. Dentro do prédio, alguns professores optaram por dar suas aulas, mas usaram o espaço para debater os fatos ocorridos na universidade nos últimos dias, como a presença da PM no campus, a ocupação da reitoria e a reintegração de posse. Apenas portaria B da reitoria, normalmente restrita a funcionários e professores, estava aberta. A entrada principal, por onde passam estudantes e outras pessoas que precisam ser atendidas, ainda estava fechada por cavaletes, assim como o acesso pelo qual os estudantes invadiram o prédio, onde a porta ainda está danificada. Policiais militares também mantêm a segurança do prédio, mas em número menor que o dos últimos dias.

Segundo funcionários da reitoria, o trabalho de limpeza, que foi iniciado nesta quarta-feira (9), continuava sendo realizado nesta quinta. A USP ainda não divulgou um balanço dos prejuízos gerados pela ocupação. Paredes foram pichadas e móveis, revirados e depredados.

A reitoria foi ocupada pelos estudantes como forma de protesto contra a detenção de três alunos por porte de maconha na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). O prédio da administração da FFLCH também foi ocupado por uma semana.

Com a reintegração de posse, cumprida pela Tropa de Choque da PM, 72 pessoas foram presas – 63 delas estavam dentro do prédio. Eles foram soltos após pagamento de fiança de R$ 545. Eles passaram toda a terça no 91º Distrito Policial, e só foram liberados na madrugada de quarta, após passarem por exames de corpo de delito.

veja também