MENU

Em jogo violento, Cerro empata em 0 a 0 com Estudiantes na Argentina

Em jogo violento, Cerro empata em 0 a 0 com Estudiantes na Argentina

Atualizado: Quinta-feira, 28 Abril de 2011 as 8:04

O Estudiantes teve a confirmação que a torcida esperava: o capitão Verón superou a lesão no tornozelo direito e foi a campo na noite desta quarta-feira para enfrentar o Cerro Porteño, no estádio Ciudad de La Plata, em Buenos Aires, pelo jogo de ida das oitavas de final da Taça Libertadores da América. Mas sua presença não foi suficiente para sua equipe conseguir furar o bloqueio dos visitantes, que, num campo cheio de areia e com entradas muito fortes de ambos os lados, seguraram o placar em 0 a 0 e agora jogam por uma vitória simples para se classificar na partida de volta, no dia 5 de maio, no Paraguai.

Mesmo com Verón em campo, argentinos não conseguem superar retranca paraguaia (Foto: Reuters)

  Erro brasileiro O árbitro brasileiro Salvio Spínola Fagundes apitou a partida e não conseguiu coibir as entradas violentas dos dois lados do campo. Além disso, ele deixou de marcar um pênalti claro sofrido pelo meia-atacante Pablo Barrientos, do Estudiantes. Aos 17 minutos do primeiro tempo, o jogador foi derrubado em cima da linha da grande área, mas o juiz, equivocadamente, marcou a falta ao invés da penalidade.

Ainda na primeira etapa, o time da casa assustou também em bicicleta do centroavante Rodrigo López e em cobrança de falta de Pablo Barrientos, que desviou na barreira e obrigou o goleiro Diego Barreto, que já se deslocava para o outro lado, a fazer grande defesa. Mas os visitantes não ficaram só na defesa. No início do jogo, o zagueiro Luis Pedro Benítez conseguiu cabeçada que triscou no travessão e, aos 16 minutos, o atacante Roberto Nanni, artilheiro da competição com sete gols, limpou o marcador dentro da grande área e bateu forte para boa defesa de Agustín Orión.   Retranca e alívio

Embora tenha assustado a meta dos anfitriões, o Cerro Porteño voltou todo recuado para a etapa final, e armou uma barreira que dificultou a vida de Verón e companhia. O Estudiantes só conseguiam chegar em bolas alçadas na área, como nas cabeçadas de Pablo Barrientos e de Rodrigo López que Diego Barreto defendeu sem grandes dificuldades. Sem seu capitão inspirado, o time argentino pecou muito na parte técnica.

Aos 38 minutos, Verón, demonstrando muito cansaço, deixou o campo para a entrada de Leandro Benítez. Nada que mudasse o panorama da partida até os 41 minutos, quando o volante Rodrigo Burgos, em mais uma entrada forte, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Com um a mais em campo, o Estudiantes cresceu e teve criou sua melhor chance dois minutos depois: após cobrança de escanteio, Rodrigo López subiu mais que a marcação e cabeceou forte, com a força de um chute, mas a bola foi em cima do goleiro Diego Barreto, que salvou a equipe paraguaia e saiu como heroi da partida.

veja também