MENU

A dois dias das eleições, atentados deixam mortos no Afeganistão

A dois dias das eleições, atentados deixam mortos no Afeganistão

Atualizado: Terça-feira, 18 Agosto de 2009 as 12

A dois dias das eleições presidenciais, atentados provocaram pânico e mortes no Afeganistão. Na capital, Cabul, um suicida explodiu um carro-bomba contra um comboio de tropas estrangeiras. O número de mortos, segundo a agência Associated Press, é de sete (entre eles dois agentes da ONU), com mais de 50 feridos. Já de acordo com a Reuters, há dois mortos e 16 feridos. Horas antes do ataque, dois morteiros atingiram as proximidades do palácio presidencial em Cabul, segundo o Exército americano.

Também nesta terça-feira (18), um um suicida quebrou os portões de uma base militar na província de Uruzgan e se explodiu, matando três soldados afegãos e dois civis, segundo o chefe de polícia provincial, Juma Gul Hemat.

Leia também:

Talibã já saiu ganhando nas eleições do Afeganistão, diz analista

Principal concorrente de Karzai, Abdullah Abdullah quer Afeganistão parlamentar

A história do Talibã

Os talibãs anunciaram um boicote às eleições e ameaçaram empreender atentados na quinta-feira.  A Otan anunciou nesta terça que suas forças irão paralisar a ofensiva militar no dia do pleito e que só agirão se considerarem ''muito necessário para a proteção da população''. O nível de alerta está máximo nesses dias até as eleições.

O atentado de Cabul deixou agentes da ONU feridos e veículos incendiados. A porta-voz do Exército americano Elizabeth Mathias não deu detalhes sobre o ataque nas proximidades do palácio presidencial, mas sabe-se que nem o presidente karzai nem outra pessoa ficou ferida.

EUA

Nesta segunda-feira, o presidente Barack Obama afirmou que a guerra no Afeganistão é uma ''necessidade'' e não uma ''escolha'' para os americanos.

Segundo a rede BBC, durante um discurso para veteranos de guerra no Estado americano do Arizona, Obama disse que a rede extremista Al-Qaeda planeja novos ataques contra os Estados Unidos, o que torna o combate à rede e ao grupo Talebã ''fundamental para a defesa dos EUA''.

veja também