MENU

Air France retomará buscas por destroços do voo 447

Air France retomará buscas por destroços do voo 447

Atualizado: Quinta-feira, 18 Fevereiro de 2010 as 12

A terceira e provavelmente última fase de buscas das caixas-pretas do avião da Air France que caiu no Atlântico em maio de 2009 terá início na primeira quinzena de março, segundo informou o BEA (órgão francês que investiga o acidente). Os destroços do Airbus A330 são considerados essenciais para a conclusão das investigações.

O avião, que fazia a rota Rio de Janeiro-Paris, caiu a cerca de 1.500 km de Recife, matando as 228 pessoas a bordo. Às 23h14 do dia 31 de maio, a aeronave emitiu uma mensagem automática de despressurização e pane elétrica.

Até o momento, as causas do acidente com o voo 447 são desconhecidas. O último relatório técnico, divulgado no dia 17 de dezembro, indicou falhas nas chamadas sondas pitot, que medem a velocidade das aeronaves em voo, mas descartou que o problema tenha sido a causa do acidente.

Nas buscas serão usados dois navios, o americano Anne Candies e o norueguês Seabed Worker, equipados com quatro sonares e dois ROVs, robôs submersíveis teleguiados remotamente, que podem descer a até 6.000 metros.

Os equipamentos serão transportados nos próximos dias ao navio Annie Candis, que se encontra no Golfo do México e que vai, em seguida, partir em direção ao Brasil, onde deve chegar entre duas e três semanas.

O navio norueguês está atualmente no Atlântico, e a previsão é que chegue ao Brasil no início de março.

De acordo com o diretor do BEA, Jean-Paul Troadec, autoridades brasileiras não participarão diretamente das buscas. "Mas irão facilitar a preparação da operação, já que os investigadores terão que transitar por portos brasileiros."

A zona está situada a noroeste da última posição conhecida do avião antes do acidente, a cerca de 1,2 mil quilômetros da costa brasileira, e foi definida a partir da reconstituição da trajetória dos destroços que foram encontrados no oceano Atlântico.

A nova fase custará 10 milhões e será financiada em partes iguais pela Air France e pela Airbus, construtora do A330.

John Clemes, porta-voz da associação Entraide et Solidarité AF-447, que agrupa aproximadamente 60 famílias das vítimas do acidente, afirmou estar satisfeito com os meios que serão utilizados na nova fase, apesar de lamentar o atraso no início da operação.

Por: Ana Carolina Dani

veja também