MENU

Após críticas, presidente visita áreas inundadas do Paquistão

Após críticas, presidente visita áreas inundadas do Paquistão

Atualizado: Quinta-feira, 12 Agosto de 2010 as 10:13

O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, viajou na quinta-feira (12) para uma área atingida pelas piores cheias do país nos últimos 80 anos, após ser criticado por ter mantido sua agenda na Europa em meio à crise, contribuindo com a imagem de ineficiência do governo.

As enchentes, causadas por fortes chuvas nas cabeceiras da bacia do rio Indo, deixaram um rastro de destruição de mais de mil quilômetros, de norte a sul do país, matando mais de 1.600 pessoas. Cerca de 14 milhões de pessoas - 8% da população - foram afetadas e 2 milhões estão desabrigadas.

Autoridades preveem enormes prejuízos para a agricultura. A ONU lançou um apelo por US$ 459 milhões em ajuda humanitária, e alertou que haverá mais mortes se a verba não chegar.

O Ministério das Finanças informou que, por causa da tragédia, o Paquistão não conseguirá atingir sua meta de 4,5% de crescimento do PIB neste ano. O ministério não divulgou uma nova estimativa.

Quando as inundações começaram, Zardari embarcou para visitas oficiais à Grã-Bretanha e à França. Dois dias depois de regressar ao Paquistão, ele viajou para a localidade de Sukkur, à beira do rio Indo, para inspecionar os danos e os trabalhos de emergência. Centenas de estradas e pontes foram destruídas desde as montanhas do norte até as planícies da província meridional do Sindh, onde as águas ainda não recuaram. Incontáveis aldeias e fazendas foram inundadas, destruindo lavouras e criação de animais. Em alguns lugares, famílias inteiras estão encolhidas em pequenos trechos de terra encharcada, junto a seus animais, ilhados pela inundação.

Nos pontos de distribuição de alimentos, as pessoas disputam os mantimentos. A chegada do mês do Ramadã, quando os muçulmanos jejuam até o anoitecer, aumenta o nervosismo das pessoas.

"O governo (...) deveria fornecer água limpa e comida limpa para as pessoas", disse o padeiro Mohammad Ali, que disputava mantimentos no noroeste paquistanês. "O Ramadã chegou, mas não vemos sinais de que o governo nos dará nada disso."

As lavouras de trigo, algodão e açúcar sofreram danos consideráveis e a ONU alerta para uma segunda onda de mortalidade entre as vítimas por causa de doenças e escassez alimentar, caso a ajuda demore.

Os custos da reabilitação do setor agrícola podem chegar a bilhões de dólares, segundo Maurizio Giuliano, porta-voz das operações humanitárias da ONU.

Postado por: Thatiane de Souza

veja também