MENU

Ataque de avião dos EUA deixa oito mortos no Paquistão

Ataque de avião dos EUA deixa oito mortos no Paquistão

Atualizado: Sexta-feira, 6 Maio de 2011 as 8:50

Oito pessoas morreram nesta sexta-feira no primeiro ataque com mísseis de avião não tripulado americano no Paquistão desde a morte do terrorista Osama bin Laden. Outras quatro pessoas ficaram feridas.

O ataque aconteceu na região de Datta Khel, na demarcação tribal do Waziristão do Norte, situada no oeste paquistanês e fronteiriça com o Afeganistão, de acordo com fontes oficiais citadas pelo canal de televisão paquistanês Express. A região é conhecido reduto do grupo islâmico Taleban e da rede terrorista AL Qaeda, liderada por Bin Laden.

O avião lançou oito mísseis: seis sobre um seminário islâmico e dois sobre um carro que estava estacionado no interior de um hotel. As autoridades disseram que as vítimas são todas supostos insurgentes.

O bombardeio acontece cinco dias depois da morte de Bin Laden, atacado por um comando especial da Marinha americana na cidade de Abbottabad, a duas horas da capital Islamabad.

Os militares americanos não confirmam a maioria dos ataques de aviões não tripulados, mas suas Forças Armadas e a CIA (agência de inteligência americana), que operam no Afeganistão, são as únicas que têm estas aeronaves na região.

Oficialmente, Islamabad nega que autorize os ataques de aviões não tripulados e chegou diversas vezes a criticá-los por ameaçar civis e romper com a soberania nacional. Fontes paquistanesas e dos EUA, contudo, afirmam que existe um consentimento tácito e que os serviços de inteligência dos dois países compartilham informação sobre os alvos.

Os agentes de combate ao terrorismo nos EUA veem nestes ataques uma forma eficiente de combater grupos terroristas e prejudicar suas operações, sem colocar em risco agentes do país.

Com poucas opções de ferramentas para enfrentar militantes escondidos em áreas tribais remotas e regiões montanhosas, o programa de aviões não tripulados encontra apoio no Congresso e foi significativamente ampliado no governo de Barack Obama --que já realizou mais destes ataques do que nos oito anos do governo de George W. Bush.

veja também