MENU

Boudou anuncia pré-candidatura para prefeitura portenha

Boudou anuncia pré-candidatura para prefeitura portenha

Atualizado: Quarta-feira, 22 Dezembro de 2010 as 10:20

O ministro da Economia da Argentina, Amado Boudou, apresentou hoje sua candidatura a prefeito da cidade de Buenos Aires. Durante seu comício de lançamento, Boudou, ao lado do poderoso ministro de Obras, Julio De Vido (braço direito da presidente Cristina Kirchner) e de Hugo Moyano, secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT), a maior central sindical do país, e a ministra da Indústria, Débora Giorgi, atacou os partidos da oposição e os meios de comunicação.    

Boudou, que será pré-candidato pelo partido Justicialista (Peronista), afirmou que a cidade de Buenos Aires "é um exemplo de fracasso de administração", em referência à gestão realizada pelo prefeito Maurício Macri, de oposição.

O ministro também criticou o jornal "Clarín", com o qual o governo Kirchner mantém duros confrontos há dois anos, acusando-o de "dar uma realidade falsa". Nos últimos dois dias o "Clarín" publicou uma investigação que revela que o ministro ordenou a fiscalização dos e-mails de todos seus funcionários para descobrir eventuais "fontes" da imprensa entre seus assessores.

No entanto, segundo Boudou, a mídia critica o governo porque "não quer dirigentes políticos que enfrentem as corporações para assegurar a felicidade do povo". "Eles (a mídia) querem candidatos que possam controlar e que tenham medo das capas dos jornais", acrescentou. O secretário-geral da CGT, Hugo Moyano, apresentou Boudou como "o melhor candidato", pois é "jovem, inteligente e boa-pinta". Boudou - chamado de Aimée ("Amado", em francês) pelos parentes e amigos - é ministro da Economia desde julho de 2009.

ANTI-PERONISTA - A capital federal costuma ter um perfil altamente anti-peronista. Desde que começaram as eleições diretas para prefeito da capital argentina, em 1996, somente foram eleitos prefeitos de outros partidos, entre eles da União Cívica Radical (UCR), Frepaso e Proposta Republicana (PRO). Nos últimos 60 anos, o partido peronista somente venceu uma eleição parlamentar em território portenho, em 1991.

MINISTROS E PODER - Nenhum ex-ministro da Economia jamais transformou-se em prefeito de Buenos Aires, governador da província de Buenos Aires (a maior do país) ou presidente da Argentina. No entanto, diversos ex-ministros atarefaram-se insistentemente nessa empreitada.

Entre os ex-ministros que ambicionaram a Casa Rosada estiveram Álvaro Alsogaray (candidato em 1973 e 1983), Domingo Cavallo (candidato em 1999), Ricardo López Murphy (em 2003) e Roberto Lavagna (em 2007).

NAZISTAS - Em outubro o ministro foi o foco de polêmicas quando atacou dois jornalistas dos jornais "La Nación" e "Clarín" que lhe haviam perguntado se o governo estava negociando uma reaproximação com o FMI.

Furioso, Boudou os comparou com integrantes do Terceiro Reich de Adolf Hitler: "são como aquelas pessoas que limpavam as câmaras de gás".   As declarações irritaram a comunidade judaica, que protestou contra a comparação. Boudou pediu desculpas aos líderes da comunidade. No entanto, nunca pediu perdão aos jornalistas que chamou de "nazistas".

Dias depois, tal como haviam perguntado os jornalistas, o governo convidou o FMI oficialmente a enviar uma missão ao país.    

veja também