MENU

Brasileira acusa Israel de sequestrar grupo de ativistas

Brasileira acusa Israel de sequestrar grupo de ativistas

Atualizado: Sexta-feira, 4 Junho de 2010 as 10:34

A cineasta brasileira Iara Lee volta, se possível ainda nesta quinta-feira (3) para Nova York, para “dizer a verdade” sobre a ação israelense que provocou a morte de ao menos nove pessoas na última segunda-feira (31).

- Eu vou voltar para a Nova York para mostrar um pouco a verdade para os americanos, que são muito pró Israel. A mídia brasileira foi muito melhor nisso, em dar uma versão mais ampla.

Iara estava a bordo da embarcação Mavi Marmara quando houve a abordagem das Forças Armadas de Israel. Ela acusou o país de sequestro.

- O que Israel fez com a gente foi sequestro, porque estávamos em águas internacionais, fomos capturados e levados para Israel. Eu nunca quis ir para Israel, queria ir para [a faixa de] Gaza. Ficamos inicialmente sem contato com ninguém e depois fomos levados para aquela prisão [perto de Be’er Sheva], isso é sequestro.

Ela disse também que os três aviões que levavam os cerca de 480 participantes da chamada “frota da paz” atrasaram por volta de 12 horas, pois o líder da organização turca IHH ainda estava sob custódia israelense. Iara disse que a Turquia aceitou a volta dos aviões apenas quando ele foi liberado.

Em relação ao número de mortos, contestado pelas ONGs que participaram da frota, ela disse que o processo ainda está em andamento.

- É, estimamos em 19 mortos, mas tudo ainda está sendo visto. Ainda tem gente no hospital e muito ferida, morrendo. E há sim a suspeita de que tenham jogado corpos no mar, mas não vi isso.

Novo navio se aproxima de águas israelenses

Após a ação altamente criticada das Forças Armadas Israelenses para conter a “frota da liberdade”, um outro navio, que participava do grupo, mas se atrasou continua rumo a Israel.

Os militares israelenses informaram que vão evitar um confronto com o Rachel Corrie.

Andy David, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores de Israel, disse que seu país ''enviou mensagens por meio da Irlanda'', país cuja bandeira é carregada pelo navio, para que seus integrantes ''aceitem deixar a carga humanitária no porto de Ashdod'', em Israel.

O jornal israelense Haaretz assinala que uma ''solução diplomática'' ao caso do Rachel Corrie é ''iminente'', ao contrário do que sucedeu com a maior parte da frota, que se envolveu no incidente de segunda-feira, em ataque que terminou com nove mortes.

Por outro lado, Audrey Bombse advogada do Gaza Livre, um dos movimentos que organiza a frota, desmentiu a existência de negociações com Israel e reafirmou o objetivo original da missão: tentar romper o bloqueio israelense à faixa.

- Não estamos negociando com Israel, nem negociamos com Israel em nenhum momento. Se Israel desejar, deixaremos entrar no navio inspetores da Cruz Vermelha ou da ONU (Organização das Nações Unidas). O que não vamos permitir é que a inspeção seja feita por israelenses, que poderiam colocar armas na embarcação.

Por Dayanne Mikevis

veja também