MENU

Chances de encontrar mineiros vivos diminuem na Nova Zelândia

Chances de encontrar mineiros vivos diminuem na Nova Zelândia

Atualizado: Terça-feira, 23 Novembro de 2010 as 9:38

A polícia neozelandesa advertiu nesta terça-feira (23) que as chances de encontrar vivos os 29 mineiros desaparecidos diminuem, mais de quatro dias após uma explosão de gás em uma mina ainda inacessível para as equipes de resgate, ao sul do país.

"A situação é sombria e fica cada vez mais escura", declarou nesta terça-feira à imprensa o chefe da polícia do país, Howard Broad.

O primeiro-ministro John Key tentou consolar as famílias, que expressam cada vez mais sua raiva e frustração devido à impossibilidade das equipes de resgate de entrar na mina, impregnada de gases tóxicos. No Parlamento, o primeiro-ministro declarou compartilhar a impaciência das famílias dos mineiros, ao mesmo tempo em que destacou que a situação era "grave".

"Compartilhamos sua frustração. Também estamos impacientes para ver uma equipe de resgate enviada à mina, mas também sabemos que os gases tóxicos e explosivos podem provocar outras vítimas", declarou. "A situação continua grave", acrescentou.

Desde a explosão na sexta-feira à tarde na mina de carvão de Pike River, na costa oeste da ilha do sul da Nova Zelândia, nenhum contato foi estabelecido com os mineiros presos.

Nesta terça-feira, os socorristas mostraram às famílias e à imprensa as imagens registradas pelas câmeras de vigilância, que revelam uma explosão longa e muito violenta.

Segundo Laurie Drew, cujo filho Zen está entre os desaparecidos, a paciência das famílias diminui. "O sofrimento, a frustração e provavelmente a raiva começarão realmente a aparecer se continuarmos tendo o mesmo tipo de informação (que temos) até agora", declarou à rádio New Zealand.

Os socorristas ainda não conseguiram entrar na mina devido à presença de gases. O problema não é a toxicidade, mas sim o fato de serem explosivos, indicou à imprensa Trevor Watts, responsável pelas operações de resgate.

Durante a manhã, a polícia informou que um robô militar teleguiado enviado ao túnel da mina falhou após percorrer 550 metros, a dois quilômetros de distância do local onde os mineiros estão.

Outra má notícia foi o fato de que um túnel de 15 centímetros de diâmetro, cavado paralelamente ao túnel da mina para chegar ao lugar onde os mineiros estão, topou contra uma rocha muito dura.

A perfuração, que deveria terminar na segunda-feira à noite, atrasou e só acabará nesta terça-feira à noite. Uma vez finalizado, o túnel servirá para a passagem de uma microcâmera.

Se os mineiros conseguiram chegar a um dos refúgios da mina, dispõem de água e ar. Mas o único alimento com que contam é o almoço que levaram para seu dia de trabalho.

"É uma situação muito grave e, quanto mais se prolonga, menores são as esperanças. Temos que ser realistas", declarou o comandante da polícia. "Consideramos todas as hipóteses, e se uma é de que não estão vivos, então nos preparamos", acrescentou.

Os desaparecidos, com idades entre 17 e 62 anos, são 24 neozelandeses, dois australianos, dois britânicos e um sul-africano.

veja também