MENU

Chile sofre nesta manhã dois tremores acima de seis graus

Chile sofre nesta manhã dois tremores acima de seis graus

Atualizado: Sexta-feira, 5 Março de 2010 as 12

Dois fortes terremotos de magnitude 6 e 6,6 atingiram na manhã desta sexta-feira, dia 5, a costa do Chile, segundo o Centro de Pesquisas Geológicas dos EUA.

Os abalos ocorrem seis dias depois que um forte tremor de magnitude 8,8 devastou regiões do centro-sul do país, matando pelo menos 802 pessoas.

Não houve alerta imediato de ondas gigantes em nenhum dos dois tremores, segundo o Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico, também americano. Inicialmente, os tremores haviam sido calculados com magnitude 6,3 e 6,8, mas os dados foram posteriormente revisados.

O segundo terremoto ocorreu às 8h47 locais, mesmo horário de Brasília. O epicentro localizou-se na costa da região de Bio-Bio, a 33 km de profundidade, a 30 km da cidade de Concepción e a 420 km da capital, Santiago.

Mais cedo, às 6h19, a mesma região havia sido abalada por um outro tremor de magnitude 6, a uma profundidade de 35 km e a 40 km de Concepción.

A energia elétrica chegou a ser cortada por alguns minutos depois do primeiro tremor, e várias pessoas foram às ruas de Concepción. O abalo teve cerca de um minuto de duração, segundo testemunhas.

Mais cedo ainda, às 6h08, houve outro abalo, de magnitude 4,7 graus e com epicentro em terra firme perto de San Rosendo, cerca de 570 quilômetros ao sul de Santiago. Durante a madrugada houve outros terremotos, o primeiro à 0h34 e de 5,7 graus. Mais tarde, às 7h31, a costa teve outro tremor de magnitude 5,1.

O Chile e sua região costeira têm sido alvo de vários tremores secundários depois do violento abalo de magnitude 8,8, ocorrido na madrugada de sábado, 27 de fevereiro, que provocou tsunamis e matou ao menos 802 pessoas em várias regiões do pais.

Apesar de esperados, os tremores secundários têm assustado as populações na região da cidade de Concepción e também na capital, Santiago.

Luto

O país decretou três dias de luto nacional a partir do próximo domingo pelas vítimas do terremoto, ao mesmo tempo que prosseguem as operações de resgate e ajuda.

Nesta sexta-feira, o Chile recebe o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que no sábado visitará a região do desastre.

Bachelet verificou na quinta-feira a distribuição da ajuda em Concepción e Talca, as capitais das regiões mais afetadas.

A presidente citou pela primeira vez a reconstrução do país, que segundo ela vai levar pelo menos três anos, o que significa quase todo o mandato do presidente eleito Sebastián Piñera, que assume o poder no dia 11 de março.

Além disso, afirmou que, apesar do Chile dispor de recursos para um certo número de ações, o país terá que recorrer a créditos do Banco Mundial e de outras instituições.

Em Concepción (500 km ao sul de Santiago), que ainda está sob toque de recolher em consequência dos saques e vandalismo após o terremoto e o tsunami, as pessoas ainda protegem as casas por conta própria, apesar da presença de 14 mil soldados nas áreas de desastre.

veja também