MENU

CIA tinha manual que ensinava a torturar sem machucar

CIA tinha manual que ensinava a torturar sem machucar

Atualizado: Sexta-feira, 28 Agosto de 2009 as 12

A CIA, o principal serviço secreto americano, seguia um detalhado manual de torturas para interrogar prisioneiros sob a suspeita de terrorismo.

Os detalhes foram revelados nesta quinta-feira, 27 de agosto, pelo jornal "Washington Post". O mais grotesco nesse manual de tortura, fora a indecência moral de quem imagina uma coisa dessas, é o empenho da CIA em ensinar a bater sem machucar.

O manual faz parte de uma série de documentos sigilosos sobre o tratamento dado aos prisioneiros de grande importância em prisões secretas no exterior. Um dos detidos, que trabalhava como tradutor de Osama Bin Laden, foi mantido acordado por seis dias seguidos.

O manual traz detalhes sobre como torturar suspeitos sem provocar danos físicos permanentes. Por ironia, em relatórios internos, a direção da CIA manifestava o medo de que, se viesse a público, o manual poderia comprometer a imagem da agência.

A CIA concebeu uma lista com o que chamou de técnicas melhoradas de interrogatório. Técnicas como a do muro: preso numa coleira, o suspeito era jogado repetidamente contra as paredes e o chão da cela. Uma toalha enrolada no pescoço e na cabeça, diz o manual, evita traumas nessas regiões.

E qual melhor maneira de estapear o rosto do suspeito em um interrogatório? O manual ensina. Os interrogadores podiam prender o suspeito dentro de uma caixa preta e deixá-lo ali durante 18 horas. Se fosse preciso mais pressão, insetos eram colocados dentro da caixa.

A CIA ensinava como obrigar os presos a assumir posições incômodas e mantê-los acordados por onze dias seguidos. Quando tudo isso falhava, amarravam o preso em um banco, enfiavam trapos em sua boca e nariz e jogavam água em seu rosto. "O fluxo de ar é interrompido de 20 a 40 segundos e a técnica produz a sensação de afogamento", diz o relatório.

veja também