MENU

Curda de 75 anos vira nova sensação da pintura na Holanda

Curda de 75 anos vira nova sensação da pintura na Holanda

Atualizado: Terça-feira, 13 Dezembro de 2011 as 1:34

Uma iraquiana curda de 75 anos é a grande novidade do mundo das artes na Holanda .

Haji Khanen nunca frequentou uma escola de artes e passou a maior parte de sua vida em condições de pobreza no Curdistão iraquiano, sem chance de desenvolver seu talento.

Veja o vídeo

'Criar uma obra de arte me dá alegria', contou Khanem à reportagem da BBC. 'Se uma pessoa não tem um objetivo na vida, como muitos jovens e velhos, pode cair em depressão, virar um suicida. Eu expresso meu sofrimento e felicidade em minhas pinturas.'

Em suas obras, transparecem os temas preferidos da artista, música, flores e cores. Mas, anos de guerra e a vida difícil das mulheres em seu país fizeram com que ela guardasse seu talento.

O pai de Khanem nunca permitiu que ela frequentasse uma escola. Ainda adolescente, ela foi obrigada a se casar com um homem mais velho, que já tinha quatro filhos.

Haji Khanen nunca frequentou uma escola de artes (Foto: BBC) 'Quando me casei, meu marido já tinha 36 ou 37 anos e eu tinha apenas 16. A vida era muito difícil, eu tinha talento e era boa no artesanato, mas nunca tive a chance de usar este talento, por causa da guerra, para criar os filhos. Eu estava sempre muito cansada', disse a artista.

O marido morreu, e Haji Khanem e os filhos se mudaram para a Holanda e, em Amsterdã, ela conheceu o trabalho dos grandes artistas holandeses, passando horas em museus e galerias.

'Quando chegamos aqui, entrei em pânico, não sabia como iria aprender a falar estes nomes holandeses estranhos. Mas aí comecei a pintar e alguns dos quadros eram feios. Mas eu não tinha medo de errar. As pessoas viram meu trabalho e gostaram', disse Khanem.

Muitos já compraram os trabalhos de Khanem e ela já fez exposições. A imprensa holandesa a chama de 'Senhora da Cor'.

Apesar da idade e da vida de dificuldades, Khanem conseguiu mostrar seu talento, algo que, segundo a artista, muitas mulheres reprimidas no mundo todo também deveriam ter a chance de fazer.          

veja também