MENU

Dilma vai nesta sexta a Buenos Aires para posse de Cristina Kirchner

Dilma vai nesta sexta a Buenos Aires para posse de Cristina Kirchner

Atualizado: Sexta-feira, 9 Dezembro de 2011 as 9:45

Dilma e Cristina Kirchner, em Caracas, antes de

reunião com líderes da América Latina e doCaribe

(Foto: Roberto Stuckert Filho/Presidência) A presidente da República, Dilma Rousseff, viajará nesta sexta-feira (9) a Buenos Aires, onde participa da posse de Cristina Kirchner, reeleita presidente da Argentina em outubro. A passagem da brasileira pelo país será breve e o retorno está previsto para sábado (10).

Dilma deixará Brasília por volta das 17h desta sexta e deverá chegar à capital argentina entre 20h e 21h. Ela não tem agenda oficial à noite, segundo informou o porta-voz da Presidência, Rodrigo Baena.

A cerimônia de posse da presidente argentina será ao meio-dia de sábado, no Congresso. Depois, Dilma terá um almoço privado e seguirá para a Casa Rosada, sede do governo, onde Cristina receberá cumprimentos e posará para fotos. A chegada de Dilma a Brasília está prevista para 20h deste sábado.

Não há encontros bilaterais previstos até o momento, segundo informou o porta-voz.

Cristina Fernandez de Kirchner foi reeleita presidente da Argentina no dia 23 de outubro, com 53% dos votos. Ela venceu com uma vantagem de 37 pontos porcentuais sobre o segundo colocado, o socialista Hermes Binner, governador da província de Santa Fé.

Esta é a segunda viagem de Dilma à Argentina como presidente. Ela inaugurou sua agenda internacional com uma visita ao país em 31 de janeiro. Na ocasião, a presidente se reuniu com Cristina Kirchner e recebeu as mães e avós da Praça de Maio, mulheres que perderam filhos e netos na ditadura militar argentina. O último encontro entre as duas ocorreu há uma semana, em encontro de países latino-americanos em Caracas, na Venezuela. Comércio

A fim de se preparar para a viagem à Argentina, a presidente chamou ao Palácio do Planalto nesta quinta-feira (8) os ministros Fernando Pimentel (Desenvolvimento), Antonio Patriota (Relações Exteriores), Nelson Barbosa (secretário-executivo da Fazenda), além do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho.

Segundo assessoria do Palácio, um dos assuntos tratados foi o "regime automotivo" do país. Vigora até hoje a decisão brasileira de suspender as licenças automáticas para importação de automóveis, medida que atingiu diretamente as montadoras argentinas.

A Argentina é um dos principais exportadores de veículos para o Brasil, ao lado de China, Coréia e Estados Unidos. Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, a suspensão está prevista nas regras da Organização Mundial de Comércio (OMC) e serve para monitorar o fluxo comercial de determinados produtos, especialmente aqueles cuja importação apresente crescimento significativo. O país tem prazo máximo de 60 dias para conceder a licença.

O ministro Pimentel irá mais cedo à Argentina. Ele embarca na manhã desta sexta-feira (9) para uma reunião bilateral com a ministra da Indústria e Turismo daquele país, Débora Jorge. Segundo assessoria do ministério, ele deverá retornar ao Brasil no mesmo dia e não acompanhará Dilma durante o restante da viagem.

Presidente interino

Pela segunda vez, o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), assumirá interinamente a Presidência da República assim que Dilma deixar o país. O vice-presidente, Michel Temer, estará em Doha, no Qatar, onde participa do Fórum Mundial da Aliança de Civilizações.

Maia também assumiu a Presidência dos dias 1º a 3 de dezembro, enquanto Dilma estava na Venezuela e Temer, nos Estados Unidos.

A Constituição Federal estabelece que, em caso de ausência do presidente da República, assumirá o vice. Se os dois estiverem ausentes, o cargo deve ser ocupado pelo presidente da Câmara. O quarto na linha sucessória é o presidente do Senado, seguido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal.        

veja também