MENU

Enchentes mantêm Estado australiano de Victoria em alerta

Enchentes mantêm Estado australiano de Victoria em alerta

Atualizado: Sexta-feira, 21 Janeiro de 2011 as 9:56

O Estado de Victoria, na Austrália, segue em alerta nesta sexta-feira devido ao risco de que rios transbordem e agravem as enchentes que causaram, no leste do país, prejuízos calculados em US$ 20 bilhões.

As fortes chuvas que atingiram a região provocaram também a morte de pelo menos 33 pessoas e deixaram outras nove desaparecidas. Milhões de australianos estão desabrigados desde o fim de novembro do ano passado, quando começaram as primeiras inundações.

No estado de Victoria, as enchentes devem fazer com que cidades ainda não atingidas sejam evacuadas, como é o caso da pequena Swan Hill.

"Sabemos que uma grande quantidade de água se encaminha em direção a Swan Hill. É a mesma que atravessou Kerang nesta semana e que recebeu água adicional do rio Avoca, que inundou Charlton", disse o prefeito da cidade, Greg Cruickshank, à rádio ABC .

As inundações em Victoria afetam cerca de 25% do estado. A boa notícia é de que a previsão meteorológica indica que o mau tempo dará lugar ao sol no fim de semana, com temperaturas ao redor dos 28 graus centígrados.

Em Brisbane, capital do estado de Queensland e terceira maior cidade da Austrália, com uma população de 2 milhões de habitantes, a perigosa alta da maré anunciada para a manhã desta sexta-feira levou vários moradores a protegerem suas casas com sacos de areia, mas somente poucas residências nas áreas mais baixas foram atingidas.

No entanto, a maior parte de Brisbane precisa de reparos, incluindo 28 mil imóveis, por causa das enchentes da semana passada. O mesmo acontece com outras cidades do estado localizado no nordeste da Austrália, como Ipswich, Rockhampton, Theodore e Condamine.

A primeira-ministra australiana, Julia Gillard, afirmou que estuda a possibilidade de criar um imposto especial para custear as despesas de reconstrução.

O orçamento federal conta com uma verba de US$ 80 milhões reservada para os danos das catástrofes naturais e, até o momento, o governo destinou US$ 225 milhões em pagamentos extraordinários de seguridade social aos desabrigados. Os analistas do banco ANZ calculam que a conta total chegará, incluindo consertos da rede de infra-estruturas e de imóveis comerciais e residenciais, a 1,5% do PIB, que é de US$ 1,3 trilhão.

"Estou trabalhando na proposta agora, e a anunciarei quando for o momento adequado", declarou Gillard, que desde o início da catástrofe climática reiterou sua promessa de que o orçamento estatal voltará ao superávit no período 2012-2013. Enquanto isso, a oposição conservadora no parlamento nacional rejeita a ideia de um novo imposto.

Queensland produz a metade das exportações nacionais de carvão, e 85% das minas do estado foram afetadas pela inundações. Por isso, especialistas calculam que as perdas serão de cerca de US$ 2,5 bilhões.

O setor agrícola de Queensland, majoritariamente exportador e que representa um quarto dos cultivos de verduras, grande parte das lavouras de frutas tropicais e a quase totalidade da produção de cana de açúcar do país, também sofreu duramente com as enchentes, e sua produção será reduzida em US$ 500 milhões neste ano.

Segundo o departamento de Meteorologia da Austrália, as fortes chuvas foram causadas pelo fenômeno "La Niña", que esfria as correntes marinhas do oceano Pacífico e aumenta a intensidade das precipitações.    

veja também