MENU

EUA devem aceitar candidatos gays no Exército, diz Pentágono

EUA devem aceitar candidatos gays no Exército, diz Pentágono

Atualizado: Sábado, 9 Julho de 2011 as 9:01

) governo do presidente americano Barack Obama decidiu nesta sexta-feira agilizar o processo de implementação da lei que revogou a política "Don´t Ask, Don´t Tell" ("Não pergunte, não responda", em tradução livre), que permitia gays nas Forças Armadas dos EUA desde que eles mantivessem sua sexualidade em segredo.

Após intensos debates, o Congresso revogou a lei, que foi oficialmente derrubada por Obama no fim do ano passado. No entanto, o texto final diz que os militares tinham tempo para implementar as novas regras quanto à abertura sexual entre as tropas para que não houvesse danos ao Exército.

A estimativa era de que até o segundo semestre deste ano as Forças Armadas já estivessem preparadas para colocar em vigor as novas práticas.

O Pentágono ordenou nesta sexta-feira que o Exército passe a aceitar incrições de candidatos abertamente gays, dois dias após uma corte federal de recursos da Califórnia ter exigido que o Departamento da Defesa coloque imediatamente em prática as novas medidas, já que a antiga política "Don´t Ask, Don´t Tell" tornou-se inconstitucional.

Numa medida contraditória, no entanto, o Congresso aprovou também nesta sexta-feira um dispositivo que pode abrir caminho para que as novas políticas levem ainda mais tempo para serem colocadas em prática.

O objetivo seria desacelerar a implementação da nova lei e também proibir que os sacerdotes realizem casamentos entre pessoas do mesmo sexo nas bases das Forças Armadas americanas, mesmo que os militares estejam em Estados onde a união entre homossexuais já é reconhecida pela lei.

O senador republicano do Kansas, Tim Huelskamp, disse que as bases militares não devem ser usadas para fazer com que "uma agenda limitada avance".

O dispositivo estava na alteração do orçamento da Defesa e passou por 236 votos a favor. Os votos contra somaram 184.

No entanto, o efeito prático da votação não é claro.

O secretário da Defesa, Leon Panetta, deve comunicar que a revogação pode ser implementada antes que o Congresso termine a votação sobre o orçamento para o exercício que se inicia em 1º de outubro.

A lei "Don't Ask, Don't Tell" foi promulgada em 1993 pelo então presidente Bill Clinton.    

veja também