MENU

EUA e Rússia assinam novo tratado nuclear

EUA e Rússia assinam novo tratado nuclear

Atualizado: Quinta-feira, 8 Abril de 2010 as 12

Os presidentes dos EUA, Barack Obama, e da Rússia, Dimitri Medvedev, assinaram nesta quinta-feira (8) o novo tratado de redução de arsenais nucleares entre os dois países. O acordo foi assinado em Praga, na República Tcheca.

O acordo é fruto de intensas negociações bilaterais entre as potências e ex-rivais da Guerra Fria, que aconteceram em Genebra durante vários meses. 

"Hoje é um marco importante para a segurança e a não-proliferação nuclear, e para as relações entre EUA e Rússia", disse Obama durante a cerimônia. Medvedev saudou a assinatura como um "evento histórico" que deve iniciar um novo capítulo de cooperação entre os países.

Pelo documento, Rússia e Estados Unidos se comprometerão a reduzir o número de ogivas nucleares a 1.550 para cada país, o que representa uma queda de 74% em comparação ao limite do tratado START (de Strategic Arms Reduction Talks), assinado em 1991, que expirou no fim de 2009.

Irã

Os presidentes voltaram a pressionar o Irã, por conta do programa nuclear de Teerã. Eles disseram que o  governo iraniano deve sofrer as consequências por insistir em manter o programa e não cooperar com as inspeções das Nações Unidas.

"Estamos trabalhando juntos no Conselho de Segurança da ONU para aprovar fortes sanções ao Irã, e não vamos tolerar ações que desconsiderem o Tratado de Não-Proliferação Nuclear", disse Obama.

Ratificação

Para entrar em vigor, o novo tratado deve ser ratificado pelos Parlamentos dos dois países.

O presidente Obama disse estar "confiante" de que o Congresso dos EUA vai aprovar o documento.

Nova doutrina dos EUA

Obama assinou o tratado 48 horas depois de ter anunciado uma nova doutrina nuclear , segundo a qual os Estados Unidos só recorrerão às armas nucleares "em circunstâncias extremas", para defender seus interesses vitais e os dos aliados.

No ano passado, o presidente dos EUA ganhou  o Prêmio Nobel da Paz, e o comitê do prêmio mencionou seus esforço para deter a proliferação nuclear.

veja também