MENU

Exército do Paquistão confirma prisão do chefe militar do Talibã

Exército do Paquistão confirma prisão do chefe militar do Talibã

Atualizado: Quarta-feira, 17 Fevereiro de 2010 as 12

O Exército do Paquistão confirmou nesta quarta-feira (17) a prisão do comandante militar do Talibã, Mullah Abdul Ghani Baradar.

Segundo os militares, a identidade de Baradar foi confirmada após procedimentos de identificaço. Eles disseram que os detalhes da prisão não vão ser divulgados por "motivos de segurança".

A informação sobre a possível prisão do líder havia sido divulgada na véspera por autoridades dos EUA e do Paquistão, sob anonimado. Ele teria sido capturado na cidade de Karachi, durante uma ação de homens paquistaneses e americanos.

Os insurgentes,  a princípio, negaram a informação e afirmaram, por meio de um porta-voz, que o militante estava em serviço no vizinho Afeganistão.

Conhecido como mulá Baradar Akhund, o suposto detido é considerado o chefe militar da insurgência e "número dois" do movimento liderado pelo mulá Omar. Durante o regime talibã afegão (1996-2001), ocupou o cargo de vice-ministro da Defesa.

Ele é o insurgente de maior cargo capturado desde a invasão americana ao Afeganistão, no final de 2001.

A notícia coincide com uma grande ofensiva das forças internacionais e do Exército afegão sobre o reduto talibã de Marjah e áreas próximas, na província de Helmand (sul).

Em comunicado, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) informou que três civis morreram ontem em várias ações.

A Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), missão militar sob comando da Otan, disse que os civis morreram "acidentalmente".

As vítimas se somam aos 12 civis que no domingo morreram depois de uma falha no lançamento de dois foguetes, que erraram o alvo original, um reduto talibã.

Cooperação

Os EUA, que lideram uma ofensiva da Otan contra o Taliban no Afeganistão, quer ajuda do Paquistão para enfrentar a militância islâmica na região da fronteira. Mas analistas e funcionários dos EUA disseram que ainda é cedo para dizer se a cooperação paquistanesa no caso de Baradar vai se repetir na captura de outros militantes procurados.

O governo paquistanês é aliado dos EUA, mas há um profundo antiamericanismo na opinião pública.

Uma fonte paquistanesa de inteligência disse que os agentes estavam procurando Baradar em Quetta, no sudoeste paquistanês, onde os EUA dizem que fica a sede do conselho de liderança do Talibã.

"Sentindo que poderia ser preso, ele de alguma forma escapou de Quetta para Karachi, talvez disfarçado. Foi aí que o prendemos, cerca de quatro dias atrás", disse essa fonte. "Ele está conosco e sendo interrogado."

De acordo com essa fonte, "é claro" que houve envolvimento dos EUA. "Temos esse tipo de cooperação", acrescentou.

A prisão de Baradar ocorre em meio a uma nova tentativa de negociações de paz entre o governo do Afeganistão e o Talibã. 

veja também