MENU

Exército foi instruído a ajudar jornalistas, diz governo do Egito

Exército foi instruído a ajudar jornalistas, diz governo do Egito

Atualizado: Sexta-feira, 4 Fevereiro de 2011 as 2:09

O Exército do Egito foi instruído a ajudar jornalistas estrangeiros e a protegê-los contra grupos à paisana que vêm atacando e espancando repórteres à medida que a situação nas ruas da capital vai ficando caótica, disse o gabinete egípcio nesta sexta-feira (4).

Os EUA condenaram na quinta-feira a 'campanha organizada' para intimidar repórteres estrangeiros que estão cobrindo os protestos contra o presidente Hosni Mubarak e disseram que o Egito não deve colocar jornalistas em sua mira. O Brasil e o Reino Unido, entre outros, também criticaram a intimidação de jornalistas.

'Conversei com o primeiro-ministro sobre os problemas enfrentados por jornalistas. Ele ficou muito perturbado. Ele entrou em contato com as Forças Armadas e as instruiu a/ facilitar o trabalho da mídia estrangeira e impedir qualquer interferência com o trabalho dela', disse à Reuters o porta-voz do gabinete, Magdy Rady.

'O Exército vai ajudar vocês em áreas onde vocês têm contato com pessoas', ele acrescentou, aludindo a grupos à paisana que vêm percorrendo as ruas e, em muitos casos, agredindo jornalistas.

Dois jornalistas brasileiros foram detidos e vendados no Egito , onde outros correspondentes estrangeiros também sofreram ataques durante os violentos confrontos entre simpatizantes de Mubarak e manifestantes que exigem sua saída do poder.

Em comunicado na quinta-feira, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil informou que o governo 'protesta' contra a detenção dos jornalistas e 'manifesta a expectativa de que as autoridades egípcias tomem medidas para garantir as liberdades civis e a integridade física da população e dos estrangeiros presentes no país'.

O Itamaraty acrescentou que a embaixada do Brasil no Cairo continuará prestando assistência a turistas e residentes brasileiros no país.

Outros jornalistas estrangeiros e egípcios foram vítimas de violência e funcionários de entidades de direitos humanos foram detidos no Egito, que vive o décimo dia de protestos contra Mubarak, no poder há 30 anos.

Os confrontos ganharam força nos últimos dias, quando ocorreram brigas entre simpatizantes armados do governo e manifestantes, e diversos países relataram episódios de violência envolvendo profissionais da imprensa.

Quatro jornalistas israelenses foram presos no Cairo por violar o toque de recolher; um belga foi agredido e detido; um profissional da rede norte-americana CNN e sua equipe foram atacados por simpatizantes de Mubarak durante os protestos, entre outros incidentes com funcionários de veículos como Reuters, ABC, Associated Press, BBC e Al-Jazeera.

Um repórter grego foi ainda esfaqueado por partidários do presidente e um fotógrafo que estava com ele foi espancado, de acordo com uma testemunha da Reuters.

O Comitê para a Proteção de Jornalistas, com sede em Nova York, classificou os ataques de 'censura'.    

veja também