MENU

Exército pede a manifestantes que 'voltem para casa' no Egito

Exército pede a manifestantes que 'voltem para casa' no Egito

Atualizado: Quarta-feira, 2 Fevereiro de 2011 as 11:15

O Exército egípcio pediu nesta quarta-feira que os manifestantes que vêm protestando contra os governo nos últimos nove dias deixem as ruas e voltem para suas casas.

"Sua mensagem foi transmitida, suas exigências se tornaram conhecidas...Vocês são capazes de trazer vida normal ao Egito", disse um porta-voz em um pronunciamento transmitido pela televisão estatal.

O pedido do Exército - visto amplamente como árbitro na crise - surge um dia depois de um discurso transmitido pela TV, em que o presidente Hosni Mubarak prometeu não concorrer à reeleição em setembro.

O anúncio de que Mubarak permaneceria no poder até o fim de seu mandato não foi bem recebido por líderes oposicionistas e por manifestantes, que prometeram continuar nas ruas até que o presidente renuncie.

Também nesta quarta-feira, o governo egípcio atenuou o toque de recolher, que agora vai vigorar entre 17h e 7h, em vez de entre 15h e 8h.

O acesso à internet, que havia sido cortado no país em 28 de janeiro, também estaria voltando ao normal no país.

Discurso

Praça no Cairo é onde a maioria dos manifestantes se concentra

Em seu pronunciamento em rede nacional na terça-feira, Mubarak - que está no poder há 30 anos - prometeu não concorrer à reeleição em setembro, enquanto centenas de milhares de manifestantes tomavam as ruas em todo o país, no maior protesto desde o início do movimento.

"Não pretendo concorrer a outro mandato presidencial", disse Mubarak, ressaltando que não deixará o poder imediatamente, como exigem as lideranças dos manifestantes.

"O Hosni Mubarak que fala a vocês se orgulha do que conquistou nos anos em que serviu o Egito e seu povo", afirmou ele.

"Este é meu país. Onde vivi, lutei e defendi sua terra, soberania e interesses e morrerei aqui", completou.

Mubarak condenou os protestos e disse que sua maior prioridade agora é garantir a paz e a estabilidade do país para permitir a transferência do poder.

Mudanças

Mubarak falou horas após o encontro com o enviado americano

No pronunciamento, Mubarak disse que pedirá ao Parlamento que mude a legislação que estabelece as duras condições para que os candidatos concorram ao pleito.

As leis atuais impediriam que Mohamed ElBaradei, Nobel da Paz e apontado como um dos líderes dos protestos, concorresse.

Mubarak também sinalizou que pedirá ao Parlamento para que avalie as denúncias de fraude eleitoral nas eleições parlamentares de novembro e dezembro.

O pronunciamento ocorreu horas após o encontro de Mubarak com o enviado americano ao Cairo Frank Wisner que teria enviado a recomendação de Barack Obama para que o presidente egípcio prepare uma "transição ordenada" do poder.

A ONU estimou que até 300 pessoas teriam morrido até agora nos distúrbios antigoverno.    

veja também