MENU

Funcionários serão substituídos em segundo turno afegão

Funcionários serão substituídos em segundo turno afegão

Atualizado: Quarta-feira, 21 Outubro de 2009 as 12

Mais da metade dos funcionários que trabalharam nas eleições afegãs será substituída para evitar mais fraudes no segundo turno das eleições presidenciais no Afeganistão, disseram nesta quarta-feira, 21 de outubro, autoridades da Organização das Nações Unidas (ONU). A nova rodada do pleito foi anunciada para o dia 7 de novembro e será enfrentada pelo atual presidente, Hamid Karzai e por seu principal rival, o médico Abdullah Abdullah.

Karzai já anunciou que aceitará o segundo turno - resultados iniciais indicavam sua vitória, mas a Comissão Independente Eleitoral decidiu aceitar as reclamações de fraude e recontar milhares de votos. A recontagem dos votos afetou a maioria absoluta de 54,6% de votos que Karzai havia alcançado. Sem os votos suspeitos, ele ficou com 49,67% dos votos, insuficientes para assegurar a vitória em primeiro turno.

A missão da ONU no país, que ajuda em assuntos eleitorais, disse que os preparativos para o segundo turno estão sendo realizados para evitar fraude.

Aleem Siddique, porta-voz da missão da ONU no Afeganistão, disse à agência de notícias Reuters que 200 dos 380 chefes de distritos eleitorais indicados pela Comissão Eleitoral foram demitidos após informações de fraudes. "Mais da metade dos coordenadores distritais estão sendo repostos para evitar qualquer tentativa de fraude ou porque já existiam reclamações contra eles por candidatos e observadores", afirmou.

Em sua primeira declaração desde o anúncio do segundo turno, Abdullah Abdulla disse que seu grupo estaria checando condições e recomendações para evitar o risco de fraude. "Nós temos sugestões, recomendações e condições para evitar a fraude massiva nas próximas votações baseadas nas experiências do primeiro turno", disse o médico que é ex-ministro de Karzai.

"Na noite passada eu liguei para Karzai e o agradeci por suas palavras e pela aceitação do segundo turno", disse ele de sua casa em Cabul.

A situação política no Afeganistão preocupa a comunidade internacional porque o país é considerado o grande reduto dos insurgentes do Talibã e da al-Qaeda e tem uma precária situação de segurança.

O front afegão foi escolhido pelo presidente Barack Obama como o novo foco da chamada "guerra contra o terror" que se seguiu aos atentados do 11 de Setembro de 2001.

veja também