MENU

Holanda é responsabilizada pelo massacre de Srebrenica em 1995

Holanda é responsabilizada pelo massacre de Srebrenica em 1995

Atualizado: Terça-feira, 5 Julho de 2011 as 9:03

A Holanda foi responsabilizada nesta terça-feira pela morte de três sérvios muçulmanos no massacre de Srebrenica de 1995. Os juízes da Corte de Apelação determinaram ainda que o governo deve compensar os parentes.

A decisão pode abrir caminho para que outros familiares das vítimas de Srebrenica peçam a responsabilização do governo holandês sob o argumento que as forças de paz da ONU, compostas por cidadãos holandeses, deveriam ter protegidos os homens, uma vez que eram, na época, responsáveis pela "zona de segurança" da ONU na região durante a guerra da Bósnia (1992-95).

A decisão também pode trazer maiores implicações para os países que enviam tropas em missões da ONU e torna possível que países possam ser levados a julgamento por ações cometidas por suas tropas mesmo que elas estejam atuando em nome da Nações Unidas.

Os juízes determinaram que, ainda que os soldados holandeses estivessem operando sob um mandato da ONU, o "controle efetivo" das tropas era do Exército holandês que ordenou que milhares de pessoas saíssem das "zona de segurança" da ONU.

A corte ainda não estipulou o valor a ser pago para os familiares das vítimas.

A ação foi proposta por Hasan Nuhanovic, um intérprete que perdeu seu pai e seu irmão, e por parentes de Rizo Mustafic, um eletricista que foi morto. Eles argumentam que os três homens mortos deveriam ter sido protegidos pelas forças de paz holandesas.

As vítimas estavam entre os milhares de muçulmanos que se abrigavam no complexo da ONU quando forças sérvias-bósnias, comandadas pelo general Ratko Mladic, invadiram Srebrenica em 11 de julho. Dois dias depois, as forças de paz holandesas cederam à pressão das tropas de Mladic e milhares de famílias muçulmanas saíram do complexo. As forças sérvias começaram a separar os muçulmanos por gênero. Cerca de 8.000 homens e meninos muçulmanos foram executados.

veja também