MENU

Inglês dispersa cinzas de avó na estratosfera e resolve abrir negócio

Inglês dispersa cinzas de avó na estratosfera e resolve abrir negócio

Atualizado: Quinta-feira, 22 Setembro de 2011 as 10:46

Chester Mojay-Sinclare espalhou as cinzas

da avó a 30 km do chão no início do mês

(Foto: Arquivo pessoal)

  Um jovem inglês de 22 anos "abriu as portas" de um negócio peculiar na internet esta semana. Chester Mojay-Sinclare lançou o site Stardust Ashes ("cinzas de poeira estelar"), no qual, segundo ele, qualquer pessoa pode agendar uma cerimônia para dispersar as cinzas de um familiar falecido na estratosfera, a uma altitude de 30 mil metros.

Em entrevista ao G1 por telefone, Chester explicou que a primeira pessoa homenageada com uma cerimônia do tipo foi sua avó, ainda no início deste mês. E deu detalhes sobre como surgiu a ideia do empreendimento, com um projeto desenvolvido em uma escola primária do condado de Devon, que elevou até a estratosfera uma batata fantasiada de Papai Noel - com câmeras para registrar o feito.

"Tudo começou no final de 2009. Realizamos o projeto 'Spudnik' pouco antes do Natal, por isso a batata estava vestida como Papai Noel. Mas ela só virou notícia no começo do ano seguinte. Fizemos o projeto para ajudar os professores a ensinar sobre ciência e para inspirar as crianças, elas desenharam a roupa da batata", lembra.

À direita, o jovem prepara o lançamento de um balão. Do lado, vista da estratosfera

 feita em um dos balões de Chester, retirada do vídeo disponível mais abaixo

(Foto: Arquivo pessoal/Reprodução de vídeo)

  Chester teve a ideia e um amigo conhecia professores da escola, que deram todo o apoio. Uma marca de produtos orgânicos local ofereceu o patrocínio. Com um balão meteorológico, uma câmera fotográfica, uma de vídeo e um localizador GPS, o projeto literalmente saiu do chão - e aterrissou em segurança com a ajuda de um pequeno paraquedas.

      E onde mais uma "batata-Noel" poderia aterrissar? "Entre todos os lugares possíveis, ela caiu em uma plantação de árvores de Natal. É sério, tivemos que subir em uma árvore para recuperá-la" conta o inglês. O incrível vídeo ao lado foi produzido pela câmera de vídeo afixada ao balão, enquanto ele girava a cerca de 30 km do chão.

Em janeiro de 2010, enquanto via com sua família na mesa da sala alguns recortes de jornais repercutindo o experimento, o padrasto deu a ideia. "Ei, esse seria um ótimo jeito de se despedir de um parente, liberando suas cinzas lá do alto".

O resto ficou por conta do espírito empreendedor de Chester, que desde criança lavava carros e vendia CDs para amigos tentando juntar um dinheirinho, e aos 17 anos abriu seu primeiro negócio importando produtos chineses pela internet e revendendo para pequenos comerciantes. "Eu sou um empreendedor, gosto de perseguir as ideias", descreve-se.

Adeus à avó

"Depois daquele dia, falei sobre a isso com minha avó, que sempre me deu muito apoio. Ela adorou a ideia", recorda. Doze meses depois, em janeiro deste ano, a avó, Pat, veio a falecer aos 82 anos de idade.

No início deste mês, após alguns testes, o neto colocou em prática a homenagem final à avó. "Foi uma cerimônia pequena no dia 4 de setembro, fomos eu, minha mãe, alguns tios e minha namorada. Lemos algumas poesias, meus tios falaram algumas coisas e lançamos a urna com o balão", conta Chester.

Fotos antigas mostram a avó, Pat, com o neto Chester ainda pequeno (Foto: Arquivo pessoal)

  Aquele era o quarto lançamento que o jovem fazia, mas o primeiro levando uma urna de verdade e com o sucesso na dispersão das cinzas. E foi o suficiente para o jovem lançar o site na internet. "A procura tem sido grande, o telefone não para de tocar. Ligam tanto pessoas interessadas quanto jornalistas, curiosos com o serviço", afirma.

Clientela e planos futuros

Espalhar as cinzas de um parente amado custa 4.950 libras esterlinas, o equivalente a quase R$ 14 mil. E Chester afirma que o serviço está disponível mundialmente, sem custo adicional. "Queremos que seja algo internacional, quero dividir isso com o mundo", afirma.

São necessárias três pessoas para realizar o lançamento. Um gerente fica responsável pelo contato direto com o cliente, e dois assistentes cuidam dos detalhes técnicos no dia do lançamento. Chester afirma que todos os equipamentos são biodegradáveis e que não há poluição do meio ambiente.

O único obstáculo para a realização de lançamentos em outros países, segundo ele, são as leis de espaço aéreo locais, que podem proibir a prática.

O jovem empreendedor possui outros sites que visam, por exemplo, facilitar transações financeiras de caridade, mas tem ideias no forno para desenvolver ainda mais o Stardust Ashes. "Queremos oferecer o serviço também para animais de estimação, mas isso vai depender da demanda. Outra ideia é um serviço adicional de vídeo registrando o momento em que as cinzas são liberadas no espaço", planeja. A prática adquirida com a "batata-Noel" já mostrou que é possível botar o serviço de vídeo em prática.          

veja também