MENU

Irã critica agência nuclear da ONU

Irã critica agência nuclear da ONU

Atualizado: Segunda-feira, 20 Setembro de 2010 as 4:19

O Irã afirmou nesta segunda-feira (20) que a agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) sofre de uma crise de "autoridade moral e credibilidade".

Num discurso aos Estados-membros da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), incluindo os Estados Unidos, o coordenador de energia nuclear do Irã, Ali Akbar Salehi, também desafiou as exigências internacionais para que o país islâmico interrompa a atividade que o Ocidente suspeita que seja destina a fabricar bombas atômicas.

"A abordagem incivilizada de dupla via, de ameaça e diálogo, não pode ser útil nem frutífera", afirmou ele, referindo-se à política do Ocidente de impor sanções contra o Irã ao mesmo tempo em que oferece incentivos para pôr fim ao impasse de oito anos. Falando logo em seguida, na mesma assembleia anual dos 151 membros da agência da ONU com sede em Viena, o secretário de Energia norte-americano, Steven Chu, deixou claro que Washington manteria a pressão sobre o Irã em razão de suas atividades nucleares.

Os EUA permanecem comprometidos em chegar a uma solução diplomática, mas o "Irã tem de fazer o é que até agora não fez - cumprir suas obrigações e garantir ao resto do mundo a natureza pacífica de suas intenções", afirmou Chu.

"De outra maneira, fica claro que há um consenso internacional amplo e cada vez maior que responsabilizará o Irã caso continue com sua provocação", afirmou ele.

Salehi criticou o mais recente relatório da AIEA sobre a atividade nuclear do Irã, dizendo que o texto é injusto e sugerindo que as potências ocidentais o influenciaram.

"Parece que a agência está sofrendo uma crise de autoridade moral e de credibilidade", afirmou Salehi.

O relatório mostrou que o Irã intensificou a atividade de enriquecimento de combustível nuclear, segundo o governo apenas para fins pacíficos, desafiando as sanções mais rigorosas impostas pela ONU, pelos EUA e pela União Europeia desde junho. Também manifestou frustração pela falta de cooperação plena do Irã para com os inspetores da AIEA.

As relações entre o Irã e a AIEA têm se deteriorado desde que o diplomata japonês Yukiya Amano assumiu a diretoria da agência em dezembro.

Ele assumiu uma postura mais dura com relação ao Irã do que seu antecessor Mohamed ElBaradei. Em seus relatórios ao conselho de governadores da AIEA, ele disse que Teerã pode estar tentando desenvolver um míssil nuclear agora, e não apenas em algum momento do passado.

veja também