MENU

Kosovo celebra decisão da corte internacional sobre sua independência

Kosovo celebra decisão da corte internacional sobre sua independência

Atualizado: Quinta-feira, 22 Julho de 2010 as 3:35

O governo de Kosovo e centenas de cidadãos celebraram nesta quinta-feira a sentença da Corte Internacional de Justiça (CIJ) que considera que a independência da ex-Província sérvia não violou o direito internacional. A sentença não é vinculativa, mas dá peso jurídico e político a causa kosovar.

"É um dia bendito para a República do Kosovo e todos seus cidadãos", disse em Pristina o presidente kosovar, Fatmir Sejdiu. "O povo e as instituições do Kosovo dão as boas vindas e avaliam bem a sábia opinião do CIJ. É uma opinião explícita em favor da declaração da independência", acrescentou Sejdiu.

Dezenas de carros buzinaram no centro da capital da nação e muitos cidadãos foram às ruas levando bandeiras de Kosovo e da Albânia.

O presidente kosovar pediu ainda a seu colega sérvio, Boris Tadic, que mude sua atitude rumo ao Kosovo e aceite a independência.

Mais cedo, contudo, o ministro de Relações Exteriores da Sérvia, Vuk Jeremic, afirmou que o país nunca vai reconhecer a independência de Kosovo.

O primeiro-ministro kosovar, Hashem Thaçi, disse a emissora pública kosovar RTK que "hoje foi outro dia histórico para o Kosovo". "A opinião do CIJ é uma mensagem para todo o mundo de que no dia 17 de fevereiro tomamos a decisão correta", acrescentou.

"É uma grande vitória, não só para o Kosovo, mas para toda a região dos Bálcãs", concluiu o ex-líder guerrilheiro.

Em comunicado, o ministro de Relações Exteriores kosovar, Skender Hyseni, expressou a esperança de que o pequeno e empobrecido país balcânico receba mais reconhecimento como estado independente.

"Pedimos aos estados que atrasaram o reconhecimento de Kosovo que avancem rumo ao reconhecimento", disse.

"Não há nada na sentença da corte que coloque dúvidas sobre o direito de Kosovo de ser um Estado", acrescentou Hyseni.

O ministro kosovar assegurou que a independência do Kosovo beneficia os Bálcãs Ocidentais e reiterou que o futuro de seu país e da Sérvia está na União Europeia e na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

Hyseni reiterou a disposição do Kosovo de discutir com a Sérvia assuntos práticos de interesse mútuo. "Qualquer debate com a Sérvia deve ser realizado em condição de igualdade".

INDEPENDÊNCIA E RECONHECIMENTO

Sérvia perdeu o controle sobre Kosovo em 1999, quando a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) bombardeou o país para impedir o assassinato de albaneses em uma guerra de dois anos. Depois de nove anos sob mandato internacional, a maioria albanesa, apoiada por Washington e pela maioria da União Europeia, declarou independência em fevereiro de 2008. Belgrado nunca aceitou.

No total, 69 países, entre estes os Estados Unidos, Japão e a maioria dos membros da União Europeia, respaldaram a declaração, mas países como a Rússia, Espanha, Índia, China e o Brasil se opõem frontalmente à iniciativa kosovar.

No ano passado, o Brasil manifestou-se contrário à independência de Kosovo, alegando que a declaração feriu as normas internacionais, por ter sido unilateral, e que o caso deveria ser discutido pelo Conselho de Segurança da ONU.

Em outubro de 2008, a Sérvia apontou um triunfo diplomático ao conseguir que a Assembleia Geral da ONU respaldasse sua proposta de consultar à CIJ se a declaração unilateral de independência realizada pelas instituições do Governo provisório do Kosovo se acolhe ao direito internacional.

A CIJ abriu em novembro passado as audiências a este respeito, processo no qual participaram tanto o próprio Kosovo quanto 30 países como os Estados Unidos, Rússia, Sérvia e Espanha, país este último que discursou em 8 de dezembro para defender em audiência pública a ilegalidade da declaração de independência.

veja também