MENU

Lula comemora entrada da Venezuela no Mercosul ao lado de Chávez

Lula comemora entrada da Venezuela no Mercosul ao lado de Chávez

Atualizado: Sexta-feira, 30 Outubro de 2009 as 12

O líder venezuelano Hugo Chávez recebeu nesta sexta-feira o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cidade venezuelana de El Tigre (leste do país), onde ambos repassarão a agenda bilateral durante um dos encontros trimestrais que os governantes costumam manter. Lula comemorou no encontro a aprovação do protocolo da entrada da Venezuela no Mercosul por uma comissão do Senado.

''Sonhamos com o dia em que todos os países da América do Sul estarão participando do Mercosul para conseguir uma região comercial, econômica e política mais importante''.

Chávez esperava Lula no pequeno aeroporto da cidade, que fica ao norte de Orinoco. O encontro é o sétimo entre os dois, que assinarão acordos para a operação conjunta de uma refinaria no estado de Pernambuco.

Chávez e Lula, que chegou a Caracas na quinta-feira à tarde, darão início aos seus compromissos acompanhado uma colheita de soja. Só depois eles abordarão temas de interesse bilateral.

Ontem à noite, os dois presidentes chegaram a ter um jantar informal em um hotel da capital venezuelana. Lula também aproveitou a passagem por Caracas para inaugurar a nova sede do consulado do Brasil na cidade.

Em um discurso, ele classificou como ''extraordinário'' o fato de uma comissão do Senado brasileiro ter aprovado a entrada da Venezuela no Mercosul.

No encontro em El Tigre, representantes das estatais Petrobras e Petróleos de Venezuela (PDVSA) assinarão ''o estatuto, o acordo de acionistas, o contrato de compra e venda (de petróleo) e o plano de investimentos'' da refinaria Abreu e Lima, disseram fontes brasileiras.

O projeto, em discussão desde 2005, enfrentou inúmeros obstáculos, a ponto de, no mês de maio, Lula e Chávez terem manifestado sua ''frustração'' pelos atrasos nas negociações.

À espera de um acordo com a PDVSA, Petrobras começou a construção da refinaria em 2008. As obras custarão US$ 12 bilhões (cerca de R$ 20 bilhões). A central deverá iniciar suas operações em 2011, com uma capacidade para processar 230.000 barris de petróleo ao dia.

veja também