MENU

Maior banco da zona do euro fecha trimestre com lucro de US$ 10,03 bilhões

Maior banco da zona do euro fecha trimestre com lucro de US$ 10,03 bilhões

Atualizado: Quarta-feira, 28 Outubro de 2009 as 12

Lucro da Lojas Renner sobe 8% no 3º trimestre Visa reverte prejuízo e alcança ganho de US$ 514 milhões no trimestre Receita da Claro cresce e soma R$ 3,1 bilhões no trimestre Klabin reverte prejuízo e anuncia lucro de R$ 183 milhões no trimestre Gigante britânica do petróleo tem queda de 34% no lucro Marfrig tem lucro de R$ 200,5 milhões no 3º trimestre

O Santander, maior banco da zona do euro, atingiu as expectativas com uma queda de 2,8% no lucro líquido de nove meses, aumentando previsões de dívidas de difícil recuperação para compensar os efeitos do crescimento do setor imobiliário da Espanha.

O lucro líquido de 6,74 bilhões de euros (US$ 10,03 bilhões ) ficou em linha com as expectativas de ganho 6,724 bilhões de euros.

O Santander tem sido um dos vitoriosos em meio às turbulências do segmento bancário, desencadeadas pela crise financeira, destacando-se com aquisições, sem a necessidade de ajuda estatal e com uma reputação melhor.

O Credit Suisse anunciou resultado melhor que o esperado na semana passada, mas seu lucro não foi tão espetacular quanto o do Morgan Stanley e do JPMorgan. Outros bancos espanhóis, incluindo o rival mais próximo BBVA, também elevaram as provisões apesar de negócios relativamente resistentes.

A América Latina contribuiu com 20% do lucro do Santander, mas ele foi atingido pela recessão global e por efeitos cambiais. O lucro do banco subiu 6,1% em termos de moeda local, mas caiu 2,1% em euros.

Brasil

O Santander Brasil anunciou lucro líquido consolidado de R$ 1,472 bilhão no terceiro trimestre, ante R$ 766,9 milhões um ano antes.

A unidade brasileira do banco espanhol de mesmo nome protagonizou no início de outubro a maior oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da história da Bovespa. A operação movimentou R$ 14,1 bilhões.

O IPO foi o terceiro movimento relevante do banco espanhol no mercado brasileiro. Em 2000, o grupo comprou o paulista Banespa. Depois, em 2007, adquiriu o ABN Amro Real, fortalecendo sua posição no país.

veja também