MENU

Manifestantes voltam às ruas para protestar contra reforma na França

Manifestantes voltam às ruas para protestar contra reforma na França

Atualizado: Quinta-feira, 28 Outubro de 2010 as 9:58

Nova jornada de manifestações contra a reforma da previdência proposta pelo governo de Nicolas Sarkozy ocorrem nesta quinta-feira, 28, na França, embora o projeto de lei já tenha sido aprovado definitivamente pelo Parlamento nacional e aguarda a sanção do presidente.   Os sindicatos que convocaram os protestos preveem uma adesão menor às passeatas desta quinta, as primeiras depois de a reforma encerrar o trâmite no Legislativo. Isso, no entanto, não evitará problemas nos transportes públicos e em alguns setores estratégicos do país.

A reforma pretende, entre outras medidas, ampliar a idade mínima de aposentadoria de 60 para 62 anos e a idade para aposentadoria integral de 65 para 67 anos, quando não é cumprido o período de cotação, que atualmente é de 40,5 anos e passará para 41 anos em 2012.

Tendo em vista que não há como voltar atrás com a aprovação do projeto, as centrais sindicais concentram atenções no apelo ao presidente Sarkozy, para que não promulgue um texto que os militantes consideram injusto.

No entanto, os líderes operários sabem que a mobilização não alcançará os 3,5 milhões de manifestantes que estimaram nas últimas convocações - pouco mais de 1 milhão, segundo o governo.

"Não vamos superar os 3 milhões de manifestantes por causa das férias escolares e porque há um pouco de cansaço", afirmou o líder da confederação FO, Jean-Claude Mailly, mesmo levando em conta que dois em cada três franceses apoiam a manifestação, tal como revela uma pesquisa publicada hoje pelo jornal Le Parisien .

O líder da central CGT, Bernard Thibault, admitiu que a convocação será mais modesta que as dos últimos dias. Segundo ele, no entanto, o objetivo do movimento não é "bater recordes", mas "manter um bom nível de mobilização".

Para seu colega da CFDT, François Chéreque, o presidente "tem uma decisão institucional a tomar" e deve fazê-lo ouvindo o que dizem os franceses, que se pronunciaram majoritariamente contra a reforma da previdência.

Manifestações

A chamada sindical, que culminará em mais de 250 manifestações em todo o país, terá menos incidência nos transportes públicos e nas refinarias de petróleo, dois dos setores que vêm efetuando interrupções indefinidas nos últimos dias.

Na rede ferroviária, estima-se que circularão dois em cada três trens, em particular os de alta velocidade. O tráfego internacional deve ser normalizado com a Bélgica e o Reino Unido, mas ainda não com os demais destinos.

Foi cancelada metade dos voos previstos no aeroporto parisiense de Orly e um terço nos demais, uma medida que afeta sobretudo as conexões domésticas.

Os problemas de abastecimento de gasolina continuam em algumas regiões do país, embora tenham sido atenuados há poucos dias. Seis das 12 refinarias francesas continuam totalmente paralisadas. As outras já retomaram as atividades. A greve é mantida nos terminais petrolíferos dos portos, o que dificulta o trabalho das refinarias.

Os sindicatos contam, além disso, com a mobilização dos estudantes tanto universitários quanto colegiais, muito ativos no apoio à greve nos últimos dias.    

veja também