MENU

Merkel diz que europeu deve substituir Strauss-Kahn no FMI

Merkel diz que europeu deve substituir Strauss-Kahn no FMI

Atualizado: Quinta-feira, 19 Maio de 2011 as 11:12

A chanceler alemã, Angela Merkel, reiterou nesta quinta-feira (19) que quer um europeu como o próximo chefe do Fundo Monetário Internacional ( FMI ) e que a renúncia de Dominique Strauss-Kahn antes do fim de seu mandato é um argumento a favor disso.

"Minha opinião é que nós deveríamos propor um candidato europeu. Claro que, atualmente, há negociações sobre isso, eu não citarei muitos nomes, mas nós discutiremos isso dentro da União Europeia. É de grande importância encontrarmos uma solução rápida."  

Em comunicado divulgado, o FMI anunciou que Strauss-Kahn apresentou sua renúncia esta noite perante o diretório da instituição financeira. 

“É com imensa tristeza que me sinto obrigado a apresentar ao Conselho Administrativo minha renúncia ao posto de diretor-gerente do FMI”, disse Strauss-Kahn, em comunicado. “Quero dizer que nego com a maior veemência todas as acusações que foram feitas contra mim”, disse.

Strauss-Kahn está preso em Nova York, acusado de tentativa de estupro contra a camareira de um hotel. Na sexta-feira (20), ele terá nova audiência com a juíza do caso.

O FMI informou que, em breve, irá iniciar um processo de seleção para substituir Strauss-Kahn. Enquanto isso, John Lipsky, número dois na hierarquia, assumirá interinamente o comando da entidade.

Uma audiência para definir pagamento de fiança no caso de Strauss está marcada para esta quinta-feira (19) em Nova York, informou nesta quarta (18) Erin Duggan, porta-voz do tribunal. Seus advogados haviam proposto fiança de US$ 1 milhão, recusada pela juíza do caso na segunda-feira (16).

Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, enviou nesta quarta-feira (18) carta aos representantes do G20 expressando a posição brasileira sobre a sucessão de Dominique Strauss-Kahn na direção do Fundo Monetário Internacional.

“O Brasil sempre apoiou a posição de que a seleção deve ser baseada no mérito, independentemente da nacionalidade. Já se passou o tempo em que poderia ser remotamente apropriado reservar esse importante cargo para um cidadão europeu”, disse o ministro.

Mantega afirma na carta que é preciso “estabelecer critérios” para a seleção do novo nome.

De acordo com ele, o processo deve assegurar a representatividade e a legitimidade do FMI. Por isso Mantega defende que a decisão só seja tomada após consulta a todos os países membros do G20.        

veja também