MENU

Mexico vive fim de semana com 20 assassinatos

Mexico vive fim de semana com 20 assassinatos

Atualizado: Segunda-feira, 8 Novembro de 2010 as 8:49

Pelo menos 20 pessoas foram assassinadas no final de semana em episódios violentos relacionados com o narcotráfico em Ciudad Juárez, que faz fronteira com os Estados Unidos, disseram as autoridades no domingo, 7.

Sete dos cadáveres foram encontrados no sábado na parte exterior de uma moradia e pareciam que estavam em uma festa familiar, afirmou o porta-voz da acusação do Estado de Chihuahua, Arturo Sandoval. Entre as vítimas, cinco estavam dentro de um veículo fora da casa e outras duas foram baleadas na entrada da moradia, acrescentou. Outras 11 pessoas foram assassinadas no sábado na cidade, entre elas, duas vítimas desmembradas. Sandoval disse que dois policiais, um homem e uma mulher, foram mortos a tiros na manhã de domingo, no interior da viatura.

As matanças ocorridas em Ciudad Juárez tem estimularam uma percepção generalizada de insegurança nesta cidade, onde ninguém se arrisca a ir a bares e restaurantes, temendo estar no meio de um tiroteio entre os cartéis de Juárez e Sinaloa, que disputam o controle da região. Em outubro, 15 jovens foram assassinados a tiros em uma festa de 15 anos.

Ciudad Juárez, que faz fronteira com El Paso, Texas, é uma das cidades mais perigosas do mundo, desde que ambos os cartéis do narcotráfico começaram uma guerra há três anos. Ao menos 6.500 pessoas foram assassinadas desde o início de 2008.

Entretanto, o consulados dos Estados Unidos na cidade de Hermosillo anunciou novas restrições de viagem para empregados norte-americanos nos Estados de Sinaloa e Sonora.

Um comunicado do encarregado do consulado destacou que estão proibidos todas as viagens oficiais ao longo da autoestrada Benito Juárez entre Estación Don e Guamúchil, Sinaloa, 'devido a ameaças de violência extremas'.

Os empregados norte-americanos devem viajar em veículos blindados no restante de Sinaloa, um Estado considerado berço do cartel das drogas, que tem o mesmo nome, e onde são frequentes os tiroteios entre grupos de traficantes. O consulado destacou uma exceção para cidade balneário de Mazatlán, nos quais os motivos não foram detalhados.

Em Sonora, cuja capital é Hermosillo, o consulado disse que é necessário o uso de veículos blindados ao sul da Ciudad Obregón e proibiu as viagens ao sul de Navojoa e nas zonas montanhosas deste Estado. Além disso, os norte-americanos também devem viajar em veículos blindados na área ao redor de Nogales, povoado localizado no outro lado da fronteira com Nogales, Arizona, 'devido a violência generalizada' e a 'ameaça de atividade de tráfico de droga em todo norte de Sonora'.

Os empregados que viajam de Nogales, Arizona, a Hermosillo, só podem utilizar seus veículos próprios sobre a autoestrada mexicana durante 15 horas por dia, acrescentou o comunicado.

Na cidade de Oxaca, sul do México, a polícia encontrou uma cabeça humana dentro de uma caixa de presente, que foi abandonada no sábado a noite, ao lado de um precipício. Junto a cabeça, havia uma mensagem com ameaças e tinha a marca 'a última letra Z', que supostamente pode ser referente com o grupo narcotraficante dos Zetas.

A descoberta aconteceu uma semana após o assassinato a tiros, em pleno dia, de dois jovens, na praça em frente ao convento de Santo Domingo. Ambas vítimas haviam participado de protestos universitários violentos em outros conflitos.

Um correio eletrônico, enviado supostamente pelos Zetas, reivindicaram os assassinatos. No texto se afirmava que ambos foram assassinatos por afirmar, sem confirmar, que pertenciam ao grupo.

É raro que ocorram eventos de violência ao estilo dos grupo de narcotráfico em Oxaca, capital do Estado com o mesmo nome, em comparação aos que aconteceram no norte do México e na costa central do Pacífico, onde também tem ocorrido decapitações de algumas pessoas nos últimos anos.

A procuradoria geral de Justiça de Oxaca, María de la Luz Candelaria Chinas, disse as autoridades suspeita, que o e-mail foi enviado mesmo pelos Zetas.

As autoridades mexicanas descrevem os Zetas como uma organização que opera com filiais em todo o país. Os Zetas foram pistoleiros a serviço do Cartel do Golo e ficaram independentes este ano.

As autoridades afirmam que alguns grupos criminais copiam o estilo dos Zetas e utilizam este nome para intimidar, extorquir e sequestrar suas vítimas.

veja também