MENU

Única sobrevivente de queda de avião fala sobre a tragédia

Única sobrevivente de queda de avião fala sobre a tragédia

Atualizado: Segunda-feira, 22 Fevereiro de 2010 as 12

Em meados do ano passado, um avião com 153 pessoas a bordo caiu no litoral africano e só uma pessoa sobreviveu. Bahia Kassim tinha 12 anos quando foi resgatada do Oceano Índico, onde o avião em que viajava com outras 152 pessoas - inclusive a mãe dela - se espatifou.

A menina, agora com 13 anos, aos poucos recupera o sorriso. Bahia vive na periferia de Paris, com o pai e os três irmãos menores.

Bahia e a mãe, Aziza, iam ao casamento de um parente nas Ilhas Comores, na costa leste africana. O pai de Bahia, lixeiro, conta que decidiu dar a viagem à filha mais velha como um prêmio pelas boas notas na escola.

"Como não tinha dinheiro para toda família, decidi enviar apenas as duas. E eu fiquei em casa, com as crianças" conta o pai, Bakari Kassim.

Primeira viagem

A adolescente ia conhecer a terra dos pais, que migraram para a França na década de 80. Praticamente, era sua primeira viagem de avião. "Viajei uma vez quando era pequena, mas nem lembrava mais", diz Bahia. 

A viagem começou em Paris. Em Sanaa, capital do Iêmen, mãe e filha trocaram de aeronave e embarcaram em um airbus 310 da Yemenia, a principal companhia aérea do Iêmen, rumo às Ilhas Comores.

Mesmo inexperiente em viagens aéreas, Bahia percebeu que o segundo avião tinha algo de errado. Ela não se sentiu à vontade no voo 626 da Yemenia.

"Dos banheiros vinha um mau cheiro e tinha até moscas a bordo", lembra Bahia. A menina trocou de lugar com outro passageiro para ficar ao lado da mãe e sentou-se junto à janela. "Eu não estava no lugar onde deveria estar", conta.

Quatro horas depois de decolar, o avião se aproximou do aeroporto de Moroni, a capital do arquipélago de Comores. As aeromoças pediram para apertar os cintos. Através da janela, Bahia enxergou as luzes da cidade. Eram 3h40 da madrugada de 30 de junho. 

Estrondo

De acordo com as investigações feitas pelas autoridades da França, do Yêmen e de Comores, ventos fortes atingiam a região. "Neste momento, quando descíamos, eu senti o avião tremer. Achei que isso não era normal. E olhei para a minha mãe", lembra Bahia. De repente, um estrondo. Bahia sente um choque, como uma descarga elétrica no corpo, e desmaia.

Ela acorda no mar, na escuridão do Oceano Índico. "No início, ouvia vozes de mulheres que gritavam ao meu redor", conta. Atordoada, Bahia dorme agarrada a um pedaço da fuselagem do Air Bus. Quando desperta, não há mais vozes.

Ainda confusa, a menina acha que somente ela caiu do avião. Imagina que tenha despencado pela janela e acredita que todos os demais passageiros estão no aeroporto, à sua espera. Parece um pesadelo. "Na minha cabeça, minha mãe estava preocupada, perguntando por mim. Naquele momento, eu só queria encontrá-la", diz Bahia. 

 As buscas começaram imediatamente. Equipes de resgate, da França e de Comores, sobrevoaram o oceano à procura dos destroços.

Bahia passou 15 horas à deriva, engolindo àgua salgada misturada com querosene do avião. "Mesmo tentando fechar a boca, de vez em quando, entrava água" conta a jovem.

Ao responder como ela fez para não se afogar, Bahia afirmou: "Só sei que agarrei um pedaço da fuselagem e que dormi em cima. E não larguei mais". 

Esperança

Enquanto isso, na França, o pai de Bahia esperava, angustiado, por notícias. "Confesso que já tinha perdido as esperanças" admite Bakari.

Bahia também achava que não seria encontrada. Mas um barco pesqueiro localizou a menina. "De repente, escutei a voz de um homem me chamando", ela lembra.

A jovem estava tão fraca que não conseguia responder. Ela foi resgatada e levada de barco à terra firme. O pai só acreditou quando viu a filha no hospital. "Fiquei dividido, porque perdi a mãe dela... Era tristeza de um lado, mas alegria do outro", revela Bakari .

Bahia teve queimaduras no rosto, nas pernas, quebrou a clavícula e o quadril. Como é que um ser humano pode sobreviver a um acidente aéreo e passar 15 horas em condições extremas?

Ela conseguiu passar por alguma fresta do avião, por algum buraco da fuselagem que não a levou para baixo do oceano.

"Ou ela, instintivamente, soltou o cinto ou ela estava sem o cinto, porque ela também não afundou com a poltrona", explica Agnaldo Pispico, da Sociedade de Cardiologia de São Paulo. 

A água provavelmente não estava muito gelada.

"Ela teve sorte, de estar com a sua maior superfície do corpo fora da água, só ficando as pernas. Ela perdeu pouco calor", diz o médico. Assim, a adolescente evitou a hipotermia, o choque térmico causado pelo frio.

Ainda importante no caso da sobrevivente é que ela não teve sangramentos importantes. Não teve hemorragia interna.

O Air Bus 310 era uma das piores aeronaves de uma companhia de sucatas. Há três anos, a Yemenia foi reprovada em uma inspeção e ficou proibida de voar na Europa. A caixa preta foi encontrada no Oceano Índico, mas as investigações, até hoje, não chegaram a uma conclusão.

"Não recebemos indenização alguma. Mas não esperamos nada da empresa. Continuamos nossas vidas, pois mesmo que eles nos deixassem ricos agora, nada substituiria a falta que faz a mãe dos meus filhos", revela o pai da jovem. 

Pesadelo

Ao responder se Bahia tem pesadelos, a menina diz que tinha no início, mas agora passou. E sente muitas saudades da mãe:"A última lembrança que tenho é do cansaço da minha mãe, preparando a viagem, os presentes. Eu não tenho mais a minha mãe, isso é fato. Mas meu caráter e minha personalidade penso que isso não mudou, não. Nem minha maneira de agir". Depois de pensar um pouquinho, ela completa: "Bem, tudo muda um pouco, sim".

Oito meses depois da tragédia, Bahia tenta reconstruir a vida. Sorridente, diz que continua sendo uma boa aluna. E o pai confirma. Ao responder se ela seria uma boa filha também, ele diz, mantendo o tom de brincadeira: "Isso eu já não sei, não".

E o que a sobrevivente de uma tragédia aérea espera do futuro? "Continuar meus estudos, me tornar médica, poder curar", diz Bahia.

Bahia responde por que ela acha que Deus apontou o dedo para ela, no meio de 153 pessoas: "Não tenho a menor idéia".

Um livro sobre a incrível história de Bahia foi lançado na França. "Naquele avião morreu muita gente. Mas Bahia está aqui. Ela é como um símbolo. Por isso aceitamos dar esta entrevista, para que pais e filhos brasileiros percebam que enquanto há vida, há esperança", afirma o pai Bakary.

Fonte : G1

Postado por Débora Padoin Malva

veja também