MENU

Obama deve aprovar sanções unilaterais extras ao Irã nesta quinta-feira

Obama deve aprovar sanções unilaterais extras ao Irã nesta quinta-feira

Atualizado: Quinta-feira, 1 Julho de 2010 as 8:33

O presidente dos EUA, Barack Obama, deve assinar nesta quinta-feira sanções unilaterais severas ao Irã para pressionar os setores bancário e energético, informou nesta quarta-feira a Casa Branca.

Os EUA querem pressionar Teerã a suspender seu programa nuclear. Washington suspeita que o programa tenha como objetivo a fabricação de uma bomba atômica, mas o Irã nega a acusação.

O Senado e a Câmara dos Represantentes aprovaram o projeto de novas sanções na quinta-feira passada (24), penalizando empresas que fornecem gasolina ao Irã, bem como bancos internacionais envolvidos com a Guarda Revolucionária do país persa. Agora, só falta Obama assinar a lei, o que está previsto para as 18h15 locais (19h15 em Brasília) desta quinta-feira.

Ainda no início do mês, Conselho de Segurança da ONU aprovou sanções contra Teerã

Apesar da aprovação de medidas mais duras pelo Conselho de Segurança da ONU e da União Europeia nas últimas semanas, os legisladores americanos acham que elas não foram duras o suficiente.

O Conselho de Segurança da ONU renovou em 9 de junho sua condenação à política nuclear iraniano em uma resolução acompanhada por sanções, a quarta desde 2006.

Às medidas da ONU somaram-se nesta semana sanções extras aplicadas pelos EUA, pelo Canadá e pela União Europeia. No dia 16, o Tesouro dos EUA impôs sanções adicionais ao Irã por seu programa nuclear, pondo na ''lista negra'' mais empresas e pessoas suspeitas de ligações com o programa nuclear ou de mísseis do Irã.

As medidas proíbem transações de americanos com as entidades listadas, e buscam congelar quaisquer bens que elas tenham sob jurisdição americana. A União Europeia anunciou medidas adicionais semelhantes no dia 17.

Sanções americanas

Empresas americanas já são proibidas de fazer negócios com o Irã ou investir no país persa. Empresas estrangeiras que investem no setor energético iraniano também podem sofrer sanções segundo a lei atual dos EUA, mas nenhuma punição foi aplicada até agora.

A nova legislação penaliza empresas que entregam gasolina ao Irã e instituições bancárias internacionais que estão envolvidas com a Guarda Revolucionaria iraniana, o programa nuclear do país e ajudam supostas atividades terroristas.

Ela privará bancos estrangeiros de acessar o sistema financeiro dos EUA se eles fizeram negócios com os iranianos. Os fornecedores mundiais de gasolina também podem ser banidos do sistema bancário, das transações de propriedade e de câmbio nos Estados Unidos.

''Por causa desta legislação, nós estaremos dando uma escolha às companhias de todo o mundo. Vocês querem fazer negócios com o Irã ou com os EUA? Nós achamos que não é uma escolha difícil, mas nós forçaremos as empresas a fazê-la'', disse o senador republicano John McCain.

Alerta do Irã

O Irã alertou os Estados da União Europeia sobre ''consequências desastrosas'' por sua decisão de impor sanções adicionais a Teerã por seu programa nuclear.

''Sem dúvidas, tal atitude de confronto pode trazer consequências desastrosas para as relações entre a República Islâmica do Irã e a União Europeia'', disse Manouchehr Mottaki, chanceler iraniano, em carta aos chanceleres da UE obtida pela Reuters nesta quarta-feira.

A decisão da UE ''vai definitivamente causar perdas muito maiores para a própria União Europeia do que para a República Islâmica do Irã como já foi amplamente demonstrado em estatísticas prévias'', diz a carta, que foi recebida na terça-feira.

A carta de Mottaki também afirma que o bloco de 27 nações ''vai praticamente negar a si mesmo a cooperação potencialmente estratégica de um parceiro poderoso e influente na delicada região do Oriente Médio e do Golfo Pérsico''.

''Vamos esperar que a União Europeia não sucumba às pressões dos EUA para marchar no caminho errado, que só vai produzir vergonha perpétua diante das nações do mundo'', disse Mottaki.

veja também