MENU

ONU apura suposta ameaça da Minustah contra civis

ONU apura suposta ameaça da Minustah contra civis

Atualizado: Terça-feira, 26 Outubro de 2010 as 1:34

A Organização das Nações Unidas (ONU) abriu investigação interna para apurar mais uma denúncia de que um membro de suas forças de paz teria violado as regras de engajamento ao ameaçar de morte um grupo de civis haitianos e um cinegrafista americano durante um protesto em Porto Príncipe, no dia 15. A acusação é feita por Ansel Herz, um jornalista free lance, de 22 anos, que está há um ano no Haiti. Herz cobriu o terremoto de janeiro, que deixou 300 mil mortos, e, na época, abasteceu as principais agências internacionais de notícias com suas imagens. "Minha intenção é estar onde o silêncio (da imprensa) está", diz ele.

Mas este mês, ao filmar um protesto na capital haitiana, ele disse ter sido surpreendido por "um militar jordaniano da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah), que começou a disparar para o alto. As pessoas correram em pânico e começaram a gritar: ?filma, filma?", disse ele ao jornal O Estado de S. Paulo. A ação foi captada pelo fotógrafo haitiano Etant Dupain. "O militar que está na foto apontou a arma para mim, com o dedo no gatilho, e, em seguida, moveu o braço estendido com a arma em punho na direção de todos os civis que estavam ao redor."

Herz disse que temeu "pela vida das pessoas que estavam ali", mas se concentrou "em continuar gravando tudo o que estava acontecendo". O jornalista americano disse ter presenciado pelo menos outras duas situações nas quais militares da ONU dispararam com armas de fogo ou jogaram veículos contra civis e jornalistas em Porto Príncipe.

Em comunicado, o porta-voz da Minustah no Haiti, Vicenzo Pugliese, disse que "o assunto está sendo investigado pela missão e Ansel Herz já foi convidado a depor e a entregar uma cópia da fita de vídeo com a gravação do incidente. Mas, até o fim da investigação, não haverá nenhuma declaração pública".    

veja também