MENU

Otan lança operação mais ousada no Afeganistão em quase nove anos

Otan lança operação mais ousada no Afeganistão em quase nove anos

Atualizado: Segunda-feira, 7 Junho de 2010 as 8:36

As forças da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) iniciaram em Kandahar, base dos talibãs no sul do Afeganistão, a operação mais ousada em quase nove anos de guerra, o que promete ser um teste crucial para sua estratégia contra a insurgência.

Grande parte dos 30 mil soldados americanos de reforço enviados ao Afeganistão pelo presidente Barack Obama começaram a convergir para Kandahar, berço talibã deixado de lado por longo tempo pelas forças da coalizão, e onde os insurgentes islâmicos, expulsos do poder em 2001, ganharam terreno.

O objetivo é ajudar as forças armadas afegãs a reestabelecer a autoridade do governo nessa ampla província, cuja capital de 800 mil habitantes está infiltrada pelos talibãs e por grupos de criminosos.

A operação das próximas semanas se dividirá em três zonas: os distritos em torno de Kandahar e que servem de base para os insurgentes, particularmente Zhari, a oeste, e Arghandab, ao norte; a periferia imediata de Kandahar para controlar seu acesso, e o interior da capital do sul, onde as tropas estrangeiras duplicarão os esforços para formar uma polícia afegã mais confiável.

No entanto, as tropas pretendem evitar o possível uso da força no interior de Kandahar, para não incitar a população para se unir aos insurgentes.

Mas essa ''batalha de percepção'' se anuncia complexa, admitem militares e especialistas.

Com a retomada dos combates nas últimas semanas, os talibãs assassinaram uma dezena de personalidades locais na cidade onde seu movimento nasceu, e lançaram diversos ataques com foguetes contra a base militar de Kandahar.

No domingo, dois civis e um policial morreram e onze civis ficaram feridos na explosão de uma mina artificial.

Na sexta-feira, a Otan anunciou ter matado o comandante dos insurgentes de Kandahar, o mulá Zergay.

Mas o aspecto militar não é mais que uma das faces da operação que se perfila. Em Kandahar, a Otan também tem que resolver o delicado problema da corrupção dos poderes locais.

No nível político, a estratégia da aliança não está clara. O chefe do conselho da província, Ahmed Wali Karzai, meio-irmão do presidente afegão e sobre o qual pesam suspeitas de envolvimento com o narcotráfico local, provoca mal-estar na coalizão, que estima que o problema deve ser resolvido pelo governo.

No entanto, ''a política da Kandahar alimenta a insurreição, aliena a população, e priva a Otan de parlamentares dignos de confiança'', afirmou Carl Forsberg, especialista de um instituto de estudos da guerra.

Obter sucesso nessa província chave é urgente, já que a Otan não conseguiu acabar com a ameaça dos talibãs na província vizinha de Helmand, onde a coalizão lançou uma ampla ofensiva em fevereiro passado.

Para o comandante das forças internacionais no Afeganisão, o general Stanley McChrystal, o tempo corre: a administração Obama conta fazer um balanço no final de 2010 sobre a campanha afegã, para poder confirmar um começo de retirada das tropas americanas em julho de 2011.

Para alguns, a sorte já foi lançada.

''Na minha opinião, o curso da guerra ficará estabelecido antes do Ramadã'', no mês de agosto, considerou um oficial americano mobilizado na província.

veja também