MENU

Pacote-bomba encontrado em agência de impostos em Roma

Pacote-bomba encontrado em agência de impostos em Roma

Atualizado: Quinta-feira, 15 Dezembro de 2011 as 3:32

Oficial do esquedrão antibomba chega ao prédio da

Equitalia, onde uma bomba foi interceptada nesta

quinta (15) (Foto: Pier Paolo Cito / AP) Um pacote-bomba foi encontrado nesta quinta-feira (15) em Roma em uma unidade da Equitalia, a agência especializada no recolhimento de impostos, informaram fontes da imprensa locais.

O pacote, que continha um artefato explosivo, chegou por correio e era muito similar ao que explodiu na semana passada e feriu as mãos do diretor da agência.

Agentes especializados encontraram o pacote explosivo, que está sendo analisado por especialistas.

"Chamaram-nos esta manhã após a descoberta de um pacote explosivo, e estamos examinando-o. Até o momento encontramos pó preto", informou o gabinete de imprensa da polícia romana.

O envio na semana passada da carta-bomba à Equitalia foi reivindicado pela Federação Anárquica Informal (FAI), um grupo anarquista italiano já conhecido no passado por atentados similares.

Outra carta contendo explosivos foi enviada a Frankfurt ao diretor do maior banco alemão, o Deutsche Bank, Josef Ackermann, mas foi detectada a tempo por equipes de segurança.

A FAI sustenta que outros "três explosivos" foram enviados a bancos e banqueiros, informou a polícia alemã.

A organização anarquista costuma agir durante as festas de Natal e em dezembro de 2010 enviou cartas-bomba às embaixadas do Chile e da Suíça para vingar militantes de seu movimento nestes países.

A Suíça se converteu em alvo devido à prisão de vários anarquistas recentemente, enquanto o Chile foi atacado pela morte em Santiago do Chile do jovem anarquista Mauricio Morales em 2009, que faleceu após a explosão de um artefato que carregava em sua bolsa.

Segundo a polícia, a FAI é formada por "poucas dezenas de pessoas", não conta com um líder e a sigla é empregada como "uma marca".

Em oito anos de existência, realizou cerca de 30 golpes em "sete campanhas revolucionárias".        

veja também