MENU

Parlamento britânico deve ouvir Murdoch e filho no caso dos grampos

Parlamento britânico deve ouvir Murdoch e filho no caso dos grampos

Atualizado: Terça-feira, 19 Julho de 2011 as 8:13

                                    O magnata da mídia Rupert Murdoch e seu filho, James, devem ser ouvidos nesta terça-feira (19) por uma comissão do Parlamento britânico para esclarecer dúvidas sobre o caso dos grampos telefônicos praticados por jornalistas da "News Com", braço local do império de comunicações do australiano.

A audiência está marcada para as 14h30 locais (10h30 de Brasília). Uma hora depois, a ex-executiva do grupo Rebekah Brooks, que também tem papel central no escândalo, deve ser ouvida separadamente.

Os parlamentares, basicamente, devem perguntar e eles sabiam dos pagamentos feitos por jornalistas de tabloides do grupo a agentes da Polícia Metropolitana, e se tinham conhecimento dos grampos telefônicos nas caixas postais de talvez milhares de fontes.     O magnata da mídia Rupert Murdoch, seu filho James, e a ex-executiva do grupo Rebekah Brooks (Foto: AFP)     Antes disso, às 9h de Brasília, o premiê britânico, David Cameron, que está na Nigéria, dará nova entrevista sobre o caso. O desenrolar da crise obrigou o primeiro-ministro a antecipar a sua volta do giro pela África.

Na véspera, o jornalista Sean Hoare, ex-repórter de celebridades do tabloide "News of the World" e o primeiro a afirmar que o editor Andy Coulson sabia das escutas telefônicas praticadas pelo jornal no Reino Unido, foi encontrado morto em casa, em Watford.

Ele trabalhou nos tabloides "Sun" e "News of the World" com Coulson antes de ser demitido por problemas com álcool e drogas.

De acordo com a polícia, a morte não foi considerada suspeita. Mas ela acrescentou novos ingredientes no escândalo.     Envolvido no caso de escutas ilegais, jornal britânico interrompe as atividades após 168 anos (Foto: Sang Tan / AP)     Hoare denunciou o uso de escutas ilegais usadas pelo "News of the World" com suas fontes inicialmente no jornal “The New York Times”.

Na época, ele afirmou que não apenas Coulson sabia das escutas ilegais, como encorajava a equipe a interceptar ligações telefônicas de celebridades em busca de notícias exclusivas.

Numa entrevista posterior à BBC, Hoare também afirmou ter recebido uma orientação pessoal de Coulson, então editor do "NoW", para fazer as escutas.

Assessor do primeiro-ministro Cameron à época, Coulson sempre negou o uso de escutas telefônicas pelo tabloide que editou.     Foto sem data do jornalista Sean Hoare, ex-repórter

do 'News of the World' (Foto: AP)     Coulson foi preso na semana passada pela polícia, e libertado várias horas depois mediante pagamento de fiança, sob a suspeita de que tinha subornado policiais e interceptado ligações durante sua época à frente do tabloide.

Mais recentemente, na semana passada, Hoare denunciou que os jornalistas do tabloide tinham acesso a tecnologia policial para poder localizar pessoas mediante sinais de celular em troca de subornos aos agentes.

No entanto, quando em setembro de 2010 foi convocado a comparecer a uma delegacia em Londres, Sean Hoare não quis relacionar Coulson com as escutas.

Jornal dominical mais vendido do Reino Unido, o "News of the World", do magnata Rupert Murdoch, encerrou as atividades no início do mês após 168 anos, sob a acusação de ter realizado ao menos 4 mil escutas ilegais desde 2000.

Premiê na berlinda

Embora não enfrente ainda uma contestação direta à sua liderança, alguns membros do seu Partido Conservador começaram a cogitar a possibilidade, embora remota, de que Cameron seja pressionado a renunciar.     O premiê britânico, David Cameron, durante visita a clínica infantil em Lagos, na Nigéria,

nesta terça-feira (19) (Foto: Reuters)

O escrutínio às ações do grupo News Corp se estende também aos seus investidores. Na terça-feira, as ações da empresa operavam em baixa em Nova York, cerca de 17% abaixo de 4 de julho, quando a polícia britânica anunciou que estava investigando se jornalistas espionaram, em 2002, a caixa de mensagens de uma adolescente que depois foi encontrada morta.

As informações reavivaram um escândalo de cinco anos antes, que arecia limitado a espionagens contra personalidades ricas, famosas e poderosas. Dez jornalistas já foram detidos e libertados sob fiança em relação ao caso.

Com a detenção no domingo de Brooks, 43 anos, que é amiga pessoal de Cameron e foi editora do "News of the World", e com a renúncia do comissário da Polícia Metropolitana, Paul Stephenson, o primeiro-ministro se vê na obrigação de defender sua própria conduta no caso, que despertou indignação na opinião pública por causa das relações promíscuas entre a elite do jornalismo, da política e da polícia.

Na África do Sul nesta segunda-feira, Cameron novamente teve de defender a nomeação de  Coulson como seu porta-voz, ocorrida meses depois de ele ter se demitido do cargo de editor do "News of the World".

Em 2007, um repórter subordinado a ele havia sido preso por grampear telefones de assessores do príncipe William.

O líder da oposição trabalhista, Ed Miliband, cujo partido sempre disputou com os conservadores a simpatia de Murdoch, não chegou a pedir a renúncia de Cameron, mas disse que esperava saber detalhes, entre outras coisas, das discussões que o primeiro-ministro possa ter tido com a News Corp sobre a proposta de aquisição total da operadora de TV BSkyB, que acabou sendo abandonada por Murdoch na semana passada devido ao ambiente político hostil.

Mais inflamado, Dennis Skinner, membro da ala mais à esquerda do trabalhismo, exigiu: 'Quando o 'Dave Danado' vai fazer a coisa decente e renunciar?'.          

veja também