MENU

Parque é multado em US$ 75 mil após morte de treinadora por orca

Parque é multado em US$ 75 mil após morte de treinadora por orca

Atualizado: Terça-feira, 24 Agosto de 2010 as 9:04

A agência federal sobre segurança no trabalho multou o parque temático SeaWorld Orlando em US$ 75 mil (R$ 132 mil) nesta segunda-feira (23) sob a acusação de cometer três violações durante a investigação da morte, em fevereiro, de uma treinadora afogada após ter sido puxada por uma baleia para o tanque .

A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA, na sigla em inglês) classificou a violação mais grave como “dolosa”, por ter tratado com "indiferença ou descaso intencional" a segurança dos empregados. A acusação, cuja multa equivale a US$ 70 mil (R$ 123 mil), se refere à exposição dos empregados aos ricos de afogamento quando interagiam com as baleias. “Os treinadores do SeaWorld têm um extenso histórico de inesperados e potencialmente perigosos incidentes envolvendo as baleias e suas instalações, incluindo a localização em Orlando”, diz o texto.

A segunda acusação foi de falha em instalar uma escada ao lado do palco do Shamu Stadium, que equivale a uma multa de US$ 5 mil (R$ 8,8 mil). A terceira acusação, considerada menos grave, foi de não ter proteções apropriadas do sistema elétrico do estádio, que não inclui punição.

O porta-voz do SeaWorld, Fred Jacobs, disse que o parque vai contestar as acusações. “O SeaWorld discorda das alegações infundadas feitas pela OSHA hoje”, diz o comunicado.

A agência orienta que não deve ser permitido nenhum tipo de contato físico com Tilikum, a baleia responsável pela morte da treinadora Dawn Brancheau, de 40 anos, em fevereiro, sem uma barreira física de proteção.

' Tendências agressivas'

No seu relatório, a agência descreve Tilikum como tendo “conhecidas tendências agressivas”. A baleia de seis toneladas era uma das três orcas apontadas pela morte de outra treinadora em 1991, que perdeu o equilíbrio e caiu na piscina do Sealand of the Pacific, na cidade de Victoria. Tilikum também estaria envolvida em outra morte em 1999, quando o corpo de um homem que furou a segurança do parque em Orlando foi encontrado.

Os treinadores do Sea World foram proibidos de entrar na água com Tilikum após as mortes. Mas a baleia conseguiu agarrar o cabelo longo da treinadora, cuja causa da morte foi afogamento e traumatismo múltiplo .

O relatório também sugere que os treinadores não trabalhem mais com as baleias do parque, dentro ou fora da água, até que estejam protegidos por uma barreira ou um sistema de fornecimento de oxigênio subaquático.

Postado por: Thatiane de Souza

veja também