MENU

Plutônio em usina nuclear do Japão equivale a teste nuclear, diz agência

Plutônio em usina nuclear do Japão equivale a teste nuclear, diz agência

Atualizado: Terça-feira, 29 Março de 2011 as 10:36

A quantidade de plutônio detectada na usina nuclear danificada pelo terremoto no nordeste do Japão é semelhante àquela que resultaria de um teste nuclear, mas não é prejudicial à população, disse nesta terça-feira (29) a Agência de Segurança Nuclear e Industrial do Japão.

As autoridades pareciam estar gradativamente colocando a usina Fukushima Daiichi sob controle, mas no mais recente golpe às esperanças, a operadora da usina, Tokyo Electric Power Co (Tepco), informou que plutônio foi encontrado em índices de baixo risco em duas das cinco amostras do solo no local.

As barras de combustível nos reatores número 1, 2 e 3 na usina estão danificadas e existe uma alta possibilidade de haver algum vazamento de suas estruturas de contenção, disse nesta terça-feira a Agência.

Autoridades estão tentando esfriar os reatores para impedir uma catástrofe nuclear na usina, depois que o complexo foi atingido por um terremoto e tsunami devastadores em 11 de março.  

Alerta máximo

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, afirmou nesta terça que seu governo está em "estado de alerta máximo" para tratar dos problemas relativos ao acidente na central nuclear de Fukushima. Kan destacou que a situação permanece "imprevisível" na central nuclear, onde os sistemas de refrigeração de vários reatores seguem avariados e os vazamentos de material radioativo se multiplicam desde o tsunami que atingiu o complexo.

O governo "vai enfrentar este problema em estado de alerta máximo", disse o premiê durante reunião da comissão de orçamento no Senado.

Ao comentar a localização escolhida para instalação da central, Kan admitiu o erro: "Não podemos negar que a avaliação do risco de tsunami foi extremamente errada naquele tempo".

Na central, água com alto índice de radioatividade inundou o subsolo da sala de máquinas dos reatores 1, 2 e 3. Também invadiu os túneis técnicos que passam sob os reatores.

A Tepco admitiu que água contaminada pode ter chegado às margens do Oceano Pacífico. "Vamos retirar esta água o mais rápido possível", declarou o porta-voz do governo, Yukio Edano, em uma entrevista coletiva.      

veja também