MENU

Polícia invade casa de atirador na França

Polícia invade casa de atirador na França

Atualizado: Quinta-feira, 22 Março de 2012 as 8:02

Policiais franceses de elite atacaram na manhã desta quinta-feira (22) o apartamento em que o atirador de Toulouse estava sitiado desde a véspera.

Três fortes explosões foram ouvidas e houve pelo menos quatro minutos de tiroteio no prédio de cinco andares.

Três policiais ficaram feridos na troca de tiros, um deles em estado grave.

A imprensa francesa, inclusive o "Le Monde", afirmou que o suspeito, idenitfiicado como Mohamed Merah, teria sido morto, mas não há confirmação oficial.

O escritório da presidência da França não falou ainda.

As explosões foram muito mais fortes que as explosões que a polícia mesmo fez fora do prédio de cinco andares desde a madrugada de quarta, em uma tentativa de cansar o homem, autor confesso de sete assassinatos, que estava sitiado no local havia mais de 30 horas.

Uma ambulância dos bombeiros entrou pouco depois na área de segurança criada pela polícia, ainda segundo testemunhas.

'Vingança'

Merah, de 23 anos, teria confessado que matou três soldados, três crianças judias e um rabino para, segundo ele, "vingar a morte de crianças palestinas" e em represália à participação de tropas francesas na guerra do Afeganistão.

Ele chegou a falar que iria se entregar, mas não o fez.

Mais cedo, o ministro do Interior da França, Claude Guéant, disse que durante a madrugada não foi possível estabelecer contato com o suposto assassino.

“São contempladas todas as hipóteses. Temos uma prioridade, que é entregá-lo à Justiça, e para isso é preciso detê-lo vivo. Esperamos que siga vivo”, afirmou Guéant à emissora de rádio “RTL”.

Morrer com as armas na mão

O ministro Guéant disse que Merah prometera entregar-se às 22h45 de quarta-feira (21), mas, quando se restabeleceu contato ele mudou de discurso. O rapaz teria dito que “queria morrer com as armas nas mãos”.

“Desde então, e apesar dos esforços para restabelecer o contato por rádio e a viva voz, não houve nenhum contato, nenhuma manifestação por sua parte”, afirmou Guéant. “Houve um momento em que foram ouvidos disparos, mas não sabemos a que correspondem”, acrescentou.

O suspeito reivindicou a autoria de três ataques, nos quais disse ter agido "sozinho", disse o procurador de Paris, François Molins.

"Ele não manifesta arrependimento algum", a não ser por "não ter feito mais vítimas", e se vangloria de ter "colocado a França de joelhos", acrescentou o procurador.

Pouco antes, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, afirmou a representantes da comunidade judaica que o suspeito pretendia executar um novo ataque, segundo uma das representantes.

Nicole Yardeni, delegada local do Conselho Representativo de Instituições Judaicas (Crif), afirmou que Sarkozy fez a revelação durante uma reunião com representantes das comunidades religiosas em Pérignon, perto do local onde o suspeito está cercado pela polícia. "[Ele] tinha um plano para matar na manhã desta quarta-feira", disse Yardeni.

O atirador teria afirmado que tem ligação com a rede terrorista da al-Qaeda, mas que agiu sozinho.

Guéant também disse que Merah afirmou ter  se recusado a praticar um atentado suicida para a al-Qaeda, mas que teria aceito "uma missão geral" para um atentado na França.

Ele teria dito que recebeu instruções da al-Qaeda durante sua viagem ao Paquistão.

O cerco à casa é feito por policiais da RAID, a tropa de elite da França. Três policiais ficaram feridos sem gravidade, um no joelho, outro no ombro e um terceiro atingido por disparo contra o colete a prova de balas.

De acordo com relatos, o homem não mantinha nenhum refém no local.

A mãe do suspeito, seu irmão e a companheira dele foram detidos como parte da investigação.

As detenções, que segundo a lei francesa podem durar até quatro dias em casos de terrorismo, aconteceram na manhã desta quarta. O ministro Guéant afirmou que são detenções preventivas.

Explosivos foram encontrados no carro de um dos irmãos do suspeito.

O suspeito era investigado pela Direção Central de Informação Interna (DCRI), desde um primeiro atentado em Montauban, quando dois soldados foram mortos.

No dia 11 de março, este homem teria matado também um soldado de origem magrebina em Toulouse.

No dia 15, ele atirou em três soldados do regimento de paraquedistas na cidade vizinha de Montauban - dois de origem magrebina e o terceiro de origem caribenha - matando dois e ferindo um gravemente.

Os investigadores foram capazes de reconstituir parte do percurso do assassino desde o dia 6 de março, quando roubou a scooter que foi utilizada até o último ataque, na segunda-feira (19).

No período de 14 dias, o homem agiu a cada quatro dias e a cada vez utilizou uma scooter e duas armas calibre 9mm e 11.43, além de um capacete para evitar ser reconhecido.

Em todos os casos, o criminoso disparou na cabeça das vítimas "à queima roupa", destacou o promotor de Paris Francois Molins, responsável por esta investigação de terrorismo classificado.

veja também