MENU

Potências pressionam presidente da Costa do Marfim

Potências pressionam presidente da Costa do Marfim

Atualizado: Quarta-feira, 8 Dezembro de 2010 as 10:35

O bloco oposicionista liderado pelo candidato à presidência Alassane Ouattara pressionou hoje o presidente Laurent Gbagbo a deixar o poder, pedindo para isso a ajuda da comunidade internacional. Tanto Ouattara quanto Gbagbo afirmam ter ganhado a recente disputa presidencial no país. As Nações Unidas, os Estados Unidos e outras nações pressionam Gbagbo para que reconheça sua derrota e deixe o poder.

A eleição do mês passado tinha como meta encerrar uma década de instabilidade na nação do oeste africano, mas levou a um impasse potencialmente explosivo, que atrapalha a economia e causa temores de violentos distúrbios.

Patrick Hachi, um porta-voz do governo de Ouattara, afirmou que estava substituindo embaixadores marfinenses em importantes países. O primeiro-ministro desse governo, Guillaume Soro, disse que sua força política buscava tomar o controle do Tesouro. "Nós estamos convencidos de que até o fim desta semana nós veremos essas medidas terem um efeito real", disse em comunicado Soro, que foi líder do movimento rebelde Novas Forças, que já controlou o norte do país.

Não está claro, porém, qual a estratégia da oposição para o longo prazo. Observadores dizem que a oposição pode ser forçada a se aproximar de partidários de Gbagbo. Analistas dizem que Ouattara está contando com o apoio internacional para garantir o poder. Os resultados iniciais deram vitória à oposição, mas posteriormente os resultados foram alterados e foi anunciada uma vitória do atual líder.

O presidente do grupo regional ECOWAS, Goodluck Jonathan, também presidente da Nigéria, disse que o bloco não está interessado em negociar um governo de unidade na Costa do Marfim. "Pela experiência que tivemos até agora no Quênia e no Zimbábue, isso nunca funcionou de fato e é por isso que não queremos isso."

Alguns sinais de fissuras internacionais começam a aparecer. Diplomatas disseram que a Rússia bloqueou um comunicado do Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) que teria apoiado Ouattara. Gbagbo continua a ocupar o palácio presidencial em Abidjã. Já o governo de Ouattara faz reuniões em um hotel do outro lado da cidade.    

veja também