MENU

Presidente da Rússia assina tratado de redução de armas nucleares

Presidente da Rússia assina tratado de redução de armas nucleares

Atualizado: Sexta-feira, 28 Janeiro de 2011 as 9:54

O presidente da Rússia, Dimitri Medvedev, assinou nesta sexta-feira (28) a lei de ratificação do novo tratado de desarmamento nuclear russo-americano Start, aprovado nesta semana pelo parlamento russo.

É o primeiro tratado de redução de armas nucleares entre russos e americanos em quase uma década. O texto é central para melhorar as relações entre os antigos rivais da Guerra Fria.

O Conselho da Federação, câmara alta do Parlamento, aprovou a lei ns quarta-feira (26). O tratado obteve a aprovação unânime dos 137 senadores presentes. Na véspera, o texto havia sido aprovado pela Duma, a câmara baixa do Parlamento.

O tratado, assinado pelos governos russo e americano em abril de 2010, havia sido aprovado pelo Senado dos EUA em 22 de dezembro do ano passado, após uma negociação de meses, capitaneada pelo presidente Barack Obama.         O tratado Start 2 dá um prazo de sete anos para que Washington e Moscou reduzam seus arsenais instalados de armas estratégicas de longo alcance a um máximo de 1.550 unidades. Os lançadores de mísseis seriam reduzidos a até 700.

Principais pontos

Veja, abaixo, alguns dos pontos do novo tratado, que foi assinado em abril, em Praga, pelos presidentes russo Dimitri Medvedev e americano Barack Obama:

- Redução de 74% do número de ogivas nucleares que ambos países possuem (em relação ao limite definido pelo tratado START I de 1993), a 1.550 respectivamente. Esta cifra corresponde a uma queda de 30% do número de ogivas em relação ao Tratado de Redução de Arsenais Nucleares Estratégicos (SORT, ou Tratado de Moscou), de 2002.

- Limitação a 800 do número de vetores (mísseis intercontinentais a bordo de submarinos e bombardeiros) mobilizados ou não por cada um dos dois países.

- Limitação a 700 do número de vetores posicionados .

- Escudo antimísseis : segundo Washington, não impõe nenhuma limitação aos testes, ao desenvolvimento ou à instalação de sistemas de defesa antimísseis dos Estados Unidos, que estejam programados ou em curso de sê-lo. Também não limita os projetos americanos em termos de ataques convencinais de longo alcance.

- Verificação : o novo tratado retoma os elementos do START I e os adapta aos novos limites. Prevê verificações in situ das instalações nucleares, intercâmbio de dados, assim como notificações recíprocas de armamentos ofensivos e de sítios nucleares.

- Duração do tratado : o tratado tem uma duraçao de dez anos a partir da data de sua entrada em funções e poderá ser renovado por uma duração máxima de cinco anos. Uma cláusula prevê que cada parte pode se retirar do tratado.

- Entrada em vigor : o tratado entrará em vigor logo depois de ser ratificado pelos parlamentos dos dois países. O Tratado START de 2002 ficará automaticamente abolido depois da entrada em vigor do novo texto.    

veja também