MENU

Presidente do Equador bloqueia bens da Odebrecht

Presidente do Equador bloqueia bens da Odebrecht

Atualizado: Quarta-feira, 24 Setembro de 2008 as 12

O presidente do Equador, Rafael Correa, ordenou ontem, dia 23 de setembro, o embargo dos bens da construtora brasileira Odebrecht, a ocupação das obras da empresa pelo Exército e proibiu que os funcionários da companhia deixem o país. As medidas foram tomadas por decreto, segundo informações da BBC Brasil.

O governo equatoriano exige o pagamento de uma indenização por falhas no funcionamento e paralisação da central hidrelétrica San Francisco, construída pela empreiteira. De acordo com o governo, a San Francisco apresentou falhas e deixou de funcionar um ano depois de serem concluídas as obras.

Paralisada desde 6 de junho, a hidrelétrica San Francisco é a segunda maior do país e o governo argumenta que sua paralisação estaria colocando em risco o abastecimento de energia no Equador.

A Odebrecht também é responsável pelas obras de outra hidrelétrica, uma rodovia e um aeroporto no Equador.

Por meio do decreto, Correa declarou "emergência nacional" para prevenir uma diminuição dos serviços de energia e para "evitar um estado de comoção interna diante da possibilidade de apagões de luz generalizados no território nacional", diz o texto.

Há uma semana, o presidente equatoriano chegou a ameaçar expulsar a empresa se não fosse paga a indenização exigida pelo Estado e disse que a empreiteira está sendo investigada por suposta corrupção. Correa afirmou que algumas obras da construtora foram realizadas "com um terço de capacidade e o triplo de custo". Pelo menos dois diretores brasileiros da empresa estariam impedidos de sair do Equador.

"Estou 'por aqui' com a Odebrecht, quanto mais cavo mais lama encontro (...) Estes senhores [da construtora] foram corruptos e corruptores, compraram funcionários do Estado. O que está sendo feito é um assalto ao país", afirmou, segundo a BBC Brasil.

Com capacidade estimada de geração de 12% do total da energia elétrica consumida no país, a hidrelétrica San Francisco custou US$ 338 milhões para o governo equatoriano.

veja também