MENU

Presidente do Peru substitui mais de metade de seu gabinete

Presidente do Peru substitui mais de metade de seu gabinete

Atualizado: Segunda-feira, 12 Dezembro de 2011 as 9:26

Presidente peruano Ollanta Humala

(Foto: Karel Navarro/AP) O presidente do Peru , Ollanta Humala, fez neste domingo (12) uma profunda remodelação em seu Governo, ao mudar o presidente do Conselho de Ministros e dez de seus ministros, entre eles a cantora Susana Baca, que deixou a Cultura.

Em cerimônia realizada no Palácio do Governo de Lima, Humala tomou juramento do novo primeiro-ministro, o empresário e ex-militar Oscar Valdés, que assumiu o cargo em substituição a Salomón Lerner, que renunciou no sábado de maneira surpreendente ao cargo.

O governante ratificou em seus cargos os ministros da Economia, Luis Miguel Castela; de Relações Exteriores, Rafael Roncagliolo; e de Desenvolvimento e Inclusão Social, Carolina Trivelli.

Também os ministros de Educação, Patricia Salas; de Transportes e Comunicações, Carlos Paredes; de Comércio Exterior e Turismo, José Luis Silva; de Habitação, René Cornejo; e de Saúde, Alberto Tejada.

Os novos ministros que juraram ao cargo foram Luis Peirano, de Cultura; José Urquizo, de Produção; José Villena, Trabalho; e Ana Jara, no Ministério da Mulher.

O novo ministro da Agricultura é Luis Ginocchio; Juan José Jiménez assumiu a Justiça; Jorge Merino o Ministério de Energia e Minas; Manuel Pulgar Vidal a pasta de Meio Ambiente; Luis Otárola o Ministério da Defesa; e Daniel Lozada o do Interior.

Presidente peruano Ollanta Humala ao lado de Oscar Valdés, novo presidente do Conselho de Ministros (Foto: Karel Navarro/AP) O novo presidente do Conselho de Ministros, Oscar Valdés, negou no sábado que o Governo de Humala tenha enfrentado uma crise com a renúncia de Lerner.

A designação do novo primeiro-ministro, que assinalou que o regime não deu uma mudança "nem à esquerda nem à direita", foi recebida com entusiasmo pelos grupos empresariais, embora alguns setores políticos tenham dito que pode levar a uma "militarização" do regime, dada a condição de ex-militar de Valdés.

Inclusive o ex-presidente Alejandro Toledo anunciou que seu partido, Peru Posible, "tomou a decisão de tomar distância do Governo" de Humala, no qual até sábado tinha dois ministros.        

veja também