MENU

Proibição de exportação do atum-rabilho é rejeitada pela ONU

Proibição de exportação do atum-rabilho é rejeitada pela ONU

Atualizado: Quinta-feira, 18 Março de 2010 as 12

Uma proposta para proibir a exportação do atum-rabilho - considerado o de melhor qualidade para a produção de sushis - foi rejeitada em um encontro sobre vida selvagem da Organização das Nações Unidas.

Japão, Canadá e muitos países pobres se opuseram à proposta, alegando que devastaria economias pesqueiras.

Mônaco apresentou a proposta na reunião da Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies em Perigo (CITES, na sigla em inglês).

O estoque global do peixe caiu cerca de 85% desde o início de sua pesca intensiva.

Ao apresentar a proposta, Mônaco argumentou que o órgão responsável por monitorar a pesca do atum-rabilho - a Comissão Internacional para a Conservação dos Atuns do Atlântico (Iccat, na sigla em inglês) - não implementou medidas restritivas o suficiente para garantir a sobrevivência da espécie.

Cientistas e ativistas se mostraram decepcionados com o resultado.

"Acreditamos que seja um golpe, porque a Iccat não vem conseguindo demonstrar que pode implementar medidas que levem à recuperação (do atum-rabilho) ", disse Glenn Sant, líder do programa marinho global da Traffic, a rede internacional que monitora o comércio de vida selvagem.

"Não há dúvidas de que (a proposta) cumpria os critérios (científicos) " para ser incluída na lista de espécies cujo comércio é restringido pela CITES - afirmou Sant à BBC da conferência em Doha, no Catar.

A intenção era que fosse instituída a proibição total do comércio do atum-rabilho.

Margem As votações da CITES podem ser revistas no último dia da reunião, mas a margem de votos sugere que a decisão não será revertida, afirma Sant.

Na primeira votação - sobre uma emenda da União Europeia que enfraquecia a proposta original apresentada por Mônaco, mas endossava a proibição - a proposta foi derrotada por 72 votos a 43.

Na votação seguinte, da moção original, ela foi derrotada por 68 votos a 20.

Os países europeus tiveram que se abster da segunda votação, já que seus delegados não tinham autoridade de seus governos para votá-la.

A União Europeia tem que votar em bloco em negociações como essa, e países com grande pesca de atum-rabilho, como a França, Itália e Espanha, não estavam propensos a apoiar uma proibição imediata.

O Japão - o principal país consumidor de atum-rabilho - se opôs à proposta desde antes do início da reunião da CITES, argumentando que a pesca comercial deve ser monitorada por órgãos como a Iccat.

Sue Lieberman, diretora de política internacional do grupo ambientalista Pew, sugere que o lobby da indústria pesqueira foi responsável pela rejeição da proposta.

"Essa reunião representava uma oportunidade de ouro para os governos adotarem uma postura contra a pesca excessiva, e muitos governos fracassaram em fazê-lo", disse ela.

"O mercado para esse peixe é simplesmente muito lucrativo, e a pressão dos interesses pesqueiros muito forte para que governos apóiem um futuro verdadeiramente sustentável para esse peixe."

veja também