MENU

Rebeldes da Líbia tomam vila e se aproximam de Trípoli

Rebeldes da Líbia tomam vila e se aproximam de Trípoli

Atualizado: Quarta-feira, 6 Julho de 2011 as 2:19

Combatentes rebeldes da Líbia tomaram o controle da vila de Al-Qawalish, a sudeste de Trípoli, nesta quarta-feira (6), depois de uma batalha de seis horas contra forças governistas, segundo um jornalista da Reuters que estava na vila.

Multidões de combatentes rebeldes entraram no vilarejo através de um posto de controle abandonado pelo governo, disparando ao alto em comemoração e gritando "Allahu Akbar!", ou "Deus é maior!".

Forças leais ao ditador Muammar Kadhafi aparentavam ter se retirado às pressas do local, e segundo o jornalista, barracas estavam derrubadas, alimentos parcialmente comidos, e uma van e uma estação de energia foram incendiadas.

Artista pinta caricatura de Kadhafi em prédio de Benghazi, cidade-sede da rebelião, nesta quarta-feira (6) (Foto: AP)

  Centenas de rebeldes líbios iniciaram na quarta-feira a ofensiva nas montanhas a sudoeste de Trípoli, com a intenção de capturar a aldeia controlada pelas forças de Kadhafi e levar a frente de batalha para mais perto da capital.

Os rebeldes chegaram à frente de combate ao amanhecer, a bordo de inúmeras picapes. Muitos deles traziam armas antitanque de grosso calibre e lançadores de foguetes artesanais nas caçambas. Vários tanques também vinham sobre caminhões.

Depois de cinco meses de rebelião, os rebeldes pouco conseguiram avançar em outras partes do país, mas obtiveram um sólido progresso no planalto que se estende por centenas de quilômetros Líbia adentro, a partir da fronteira com a Tunísia, e de onde se vê a planície litorânea que chega até Trípoli.

O objetivo dos rebeldes nesta quarta-feira era avançar dez quilômetros, da localidade de Qalaa até a aldeia de Al-Qawalish, que estava sob controle das forças governistas.

Os combatentes na verdade avançam para sudeste, no sentido contrário da capital, mas controlar Al-Qawalish é estrategicamente importante porque depois dela, mais a leste, fica a cidade de Garyan, junto à rodovia que segue para o norte até Trípoli.

Otan

Representantes da rebelião líbia serão recebidos em 13 de julho pelos países da Otan, disse nesta quarta o secretário-geral da Aliança Atlântica, Anders Fogh Rasmussen.

"O conselho da Otan (que reúne os embaixadores dos países da organização) terá uma reunião informal com (o número dois da rebelião Mahmud) Jibril e outros representantes do CNT" (Conselho Nacional de Transição), disse.

"Além disso, terei um encontro bilateral com Jibril", acrescentou.

  Os embaixadores dos países da Otan aprovaram a visita dos rebeldes líbios, prevista para o dia 13 de julho, "já que ainda não há representação da Otan em Benghazi", sede do CNT no leste da Líbia, havia indicado na terça-feira um diplomata da Aliança Atlântica.

Por sua vez, um diplomata da UE havia afirmado que um membro do CNT conversará na próxima semana com o presidente da União Europeia, Herman Van Rompuy, enquanto outro afirmou que "provavelmente" este representante dos rebeldes líbios se encontrará com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso.

A chefe da diplomacia da UE, Catherine Ashton, já se encontrou com um enviado do CNT em Bruxelas, mas não houve reuniões deste tipo com dirigentes da Otan até o momento.

Vários países da Aliança, como França, Alemanha, Estados Unidos, Itália, Reino Unido e Turquia reconheceram o CNT como legítimo representante do povo líbio.        

veja também