MENU

Sarkozy confirma assassinato de refém francês por grupo terrorista

Sarkozy confirma assassinato de refém francês por grupo terrorista

Atualizado: Segunda-feira, 26 Julho de 2010 as 11:42

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, confirmou nesta segunda-feira o assassinato "bárbaro e odioso" do engenheiro francês Michel Germaneau, sequestrado há três meses no Níger pelo grupo terrorista AQIM , a Al Qaeda no Magrebe Islâmico.

Germaneau, de 78 anos, foi "assassinado" por "pessoas que não têm nenhum respeito pela vida", afirmou Sarkozy ao término da reunião do "conselho restrito de segurança e defesa" que convocou para analisar o caso do refém francês.

No sábado, um funcionário francês da pasta da Defesa havia anunciado que militares franceses, junto com soldados mauritanos, participaram na quinta-feira, 22 de julho, de uma operação militar no deserto do Mali contra um grupo da AQIM, acreditando ter localizado o refém. A operação, no entanto, acabou em fracasso.

O engenheiro francês mantido refém pela AQIM não estava na base atacada pelos comandos franceses e pelas unidades mauritanas. Sete membros do grupo terrorista morreram na operação, enquanto outros quatro conseguiram escapar, informaram fontes mauritanas. Um primeiro balanço dava conta de seis mortos.

Entre vinte e trinta militares franceses participaram do ataque, segundo a fonte francesa.

Este domingo, no Mali, fontes dos serviços de segurança e de inteligência disseram que a incerteza reinava sobre a sorte do refém francês.

"As notícias sobre Germaneau não são boas", disse uma destas fontes. "Estamos muito preocupados, em um momento em que circulam boatos e informações sombrias sobre sua morte", acrescentou.

O ministério francês das Relações Exteriores declarou também, este domingo, que "desde o sequestro do nosso compatriota, os sequestradores, apesar dos esforços das autoridades francesas, rejeitaram todo o diálogo e não formularam nenhuma reivindicação precisa".

A última prova de vida do refém remonta a meados de maio, quando a AQIM divulgou uma gravação de áudio e uma foto dele, pedindo a intervenção do presidente francês, Nicolas Sarkozy, para libertá-lo.

A AQIM ameaçava executar Germaneau caso suas exigências não fossem cumpridas.

"Desde esta data não temos nem negociação, nem prova de vida, nem reivindicação, inclusive com a recusa de mediação médica", disse no sábado uma fonte francesa do ministério da Defesa.

A mesma organização terrorista, que opera em uma região desértica entre Mali, Níger, Mauritânia e Argélia, mantém reféns dois espanhóis: Albert Vilalta, 35, e Roque Pascual, 50, que foram sequestrados no fim de novembro.

SEQUESTRO

Germaneau, sequestrado em 19 de abril, no Níger, e foi levado em seguida para o Mali, era mantido refém por uma célula da AQIM chefiada pelo argelino Abdelhamid Abu Zeid, considerado um homem "violento e brutal", que já executou há 13 meses um refém britânico, Edwin Dyer, sequestrado seis meses antes.

Londres se negou a ceder às exigências da AQIM, que reivindicava que o Reino Unido trabalhasse pela libertação de vários membros da organização, prisioneiros nos países do Sahel.

As mesmas exigências foram feitas pela AQIM para preservar a vida de Germaneau.

Mas, segundo Paris, os sequestradores não deram nenhuma informação sobre a identidade e o local de detenção dos prisioneiros que queriam ver libertados.

veja também