MENU

Sem declarações, Kadhafi faz 1ª aparição para imprensa mundial

Sem declarações, Kadhafi faz 1ª aparição para imprensa mundial

Atualizado: Domingo, 10 Abril de 2011 as 7:14

O ditador da Líbia , Muammar Kadhafi, fez neste domingo (10) a primeira aparição para a imprensa internacional depois de semanas, após reunião com a delegação presidencial da União Africana (UA). Presidentes africanos tentam mediar diálogo entre governo líbio e os rebeldes, que pedem a saída do ditador.

Kadhafi acenou do teto solar de um carro, mas não deu declarações. No período recluso, as únicas aparições de Kadhafi foram em imprensa estatal.

Muammar Kadhafi é fotografado neste domingo (10), em primeira aparição à imprensa internacional depois de semanas (Foto: Louafi Larbi/Reuters)   A delegação presidencial da União Africana (UA) que chegou neste domingo a Trípoli para tentar mediar o conflito líbio foi recebida pelo ditador Muamar Kadhafi em uma tenda de sua residência de Bab el Aziziya.

Ao término do encontro, os membros da delegação posaram para fotos e saíram sem dar declarações.

saiba mais Bombardeios da Otan destroem 25 tanques de tropas de Kadhafi na Líbia Leia mais notícias sobre a Revolta Árabe A missão da UA é integrada pelos presidentes Amadou Toumani Turé (Mali), Jacob Zuma (África do Sul), Mohamed Ould Abdel Aziz (Mauritânia) e Denis Sassou-Nguesso (Congo), além do primeiro-ministro das Relações exteriores Henry Oryem Okello, que representa o presidente de Uganda, Yoweri Museveni.

Os cinco dirigentes viajaram separadamente da cidade de Nuakchott, onde se reuniram na noite de sábado (9). A delegação foi recebida por partidários de Muamar Kadhafi, que carregavam retratos do ditador e bandeiras verdes do regime.

No sábado, após a reunião em Nuakchott, os mediadores reiteraram os objetivos de sua missão: "o fim imediato de todas as hostilidades", o envio de ajuda humanitária e o início de um diálogo entre o regime e a insurreição.

Depois de Trípoli, os mediadores viajarão a Benghazi, bastião dos rebeldes, para tentar convencê-los a abandonar as armas.   Do G1, com agêncaias internacionais  

veja também