MENU

Soldado israelense libertado pelo Hamas pede paz no Oriente Médio

Soldado israelense libertado pelo Hamas pede paz no Oriente Médio

Atualizado: Terça-feira, 18 Outubro de 2011 as 10:09

O soldado israelense Gilad Shalit, libertado nesta terça-feira (18) após acordo entre o governo de Israel e o movimento islâmico Hamas, disse em sua primeira entrevista que está em boa saúde e espera que sua troca por prisioneiros palestinos ajude a levar à paz entre os dois povos no Oriente Médio.

Shalit, de 25, falou à TV egípcia, em local não divulgado. Ele parecia cansado e espantado e respondia de maneira hesitante.

Respondendo por meio de um intérprete, Shalit disse que ficaria muito feliz se os palestinos ainda presos em prisões israelenses fossem libertados para voltar a suas famílias.

Gilad Shalit dá entrevista à TV do Egito nesta terça-feira (18) (Foto: AP)

"É claro que eu sinto muita falta de minha família. E também de meus amigos", disse. "Espero que este acordo leve à paz entre palestinos e israelenses e que isso ajude na cooperação entre os dois lados."

Shalit foi solto na madrugada desta terça, no Egito, após um acordo entre Israel e o grupo islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, e levado a Israel.

O soldado israelense foi entregue a representantes do Egito, que intermediou o acordo, antes de ser levado a Kerem Shalom, no lado israelense da fronteira.

A TV egípcia mostrou imagens suas rodeado de seguranças, vestindo roupas civis e caminhando sem dificuldades.   As imagens mostradas nesta terça são as primeiras dele desde 2009.

A libertação de Shalit foi possível após a Suprema Corte israelense dar aval nesta segunda-feira (17) ao acordo anunciado na semana anterior, ao rejeitar os recursos de parentes de vítimas de atentados .

Gilad Shalit em imagem de vídeo da TV egípcia, em local não determinado em Gaza (Foto: AP)

Pais do soldado Gilad Shalit deixam norte de Israel para encontrar filho

 libertado após cinco anos no poder do grupo Hamas (Foto: Baz Ratner/Reuters)

Segundo o acordo, Shalit será trocado por 1.027 prisioneiros palestinos, dos quais 477 seriam soltos antes de sua libertação.     Os primeiros prisioneiros palestinos começaram a deixar as prisões israelenses na madrugada desta terça.

No comboio que deixou a prisão de Ketziot estariam 96 prisioneiros, a maior parte mulheres.

O grupo, que está acompanhado por forças de segurança do Egito, país mediador da troca, deve ser libertado no território palestino da Cisjordânia.

Os presos do primeiro comboio saíram com as mãos e os pés algemados, e mais de mil policiais foram posicionados ao longo do trajeto previsto para os ônibus.

Comboio que transportava alguns dos presos palestinos em troca com soldado

 israelense Gilad Shalit é visto em Ramallah, na Cisjordânia (Foto: Ammar Awad/Reuters)

É possível que Israel ainda liberte nesta terça mais três grupos, que seriam enviados para Kerem Shalom, na região da Faixa de Gaza.          

veja também