MENU

Venezuela anuncia plano de racionamento de energia em meio à maxidesvalorização da moeda

Venezuela anuncia plano de racionamento de energia em meio à maxidesvalorização da moeda

Atualizado: Terça-feira, 12 Janeiro de 2010 as 12

Às voltas com as reações causadas pela corrida ao comércio por causa da maxidesvalorização da moeda, o governo da Venezuela anuncia hoje, 12 de janeiro, o plano de racionamento intermediário de energia em todo o país. As medidas vão desde cortes de energia até mudanças no horário de funcionamento de serviços públicos. Paralelamente as autoridades do setor buscam alternativas para evitar o desabastecimento.

Uma das propostas é cortar a luz por cerca de quatro horas por dia e autorizar o fornecimento apenas em áreas específicas. Outra medida que deve ser adotada é reduzir o horário de funcionamento dos departamentos públicos, aproveitando a luz do sol, abrindo às 8h da manhã e encerrando às 13h.

No último domingo, dia 10, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, em seu programa de televisão Alô, Presidente não escondeu sua preocupação com a redução do nível de água do mar. Nesta terça-feira, os presidentes e diretores das companhias de energia elétrica se reúnem para anunciar os detalhes do plano.

No mês passado, Chávez foi à televisão e apelou para que a população reduzisse o consumo de energia em todo país. Bem-humorado, sugeriu que os banhos fossem rápidos e que as pessoas abandonassem banheiras e jacuzis.

O plano de racionamento ocorre no momento em que a Venezuela passa por drásticas mudanças na sua economia. Chávez anunciou a criação de uma taxa cambial dupla – uma para os setores básicos da economia, com um dólar a 2,60 bolívares, e outra para o restante da economia, com o dólar a 4,30 bolívares. A taxa oficial de câmbio era mantida estável pelo governo desde 2005 em 2,15 bolívares por dólar

A iniciativa provocou uma corrida às lojas de produtos importados, principalmente eletrodomésticos, em decorrência da remarcação de preços. Indignado, Chávez colocou o Exército, a Guarda Nacional, os Conselhos Comunitários e o Comitê de Controladoria para fiscalizarem os abusos. De ontem, dia 11, para hoje 70 lojas foram fechadas.

De acordo com estudos publicados hoje, dia 12, na imprensa venezuelana, a desvalorização do bolívar provocou uma perda de 62,3% no salário mínimo da Venezuela em comparação com os últimos 27 anos. Porém, Chavez insiste que as mudanças de câmbio vão gerar efetivamente a duplicação receitas decorrentes da venda de petróleo e o governo poderá elevar os investimentos em mais de 50%.

Por: Renata Giraldi

veja também