MENU

Vitória de Cristina Kirchner é a maior desde redemocratização do país

Vitória de Cristina Kirchner é a maior desde redemocratização do país

Atualizado: Segunda-feira, 24 Outubro de 2011 as 1:40

Embora com uma reeleição prevista por todas as pesquisas de intenção de voto, a presidente argentina Cristina Kirchner e sua Frente para a Vitória surpreenderam pelo número de votos conquistados em todo país após o fechamento das urnas neste domingo (23). Ouça ao lado o relato do enviado do G1 direto de Buenos Aires.

Apuradas 98,2% das urnas, Cristina obteve 53,9%, com 36 pontos percentuais de diferença em relação ao segundo colocado, o socialista Hermes Binner. Foi a maior vitória de um presidente argentino desde a redemocratização do país, em 1983, quando Raúl Alfonsin foi eleito com 51% dos votos.

Os números superam ainda o êxito da própria presidente nas eleições primárias em 14 de agosto, vencidas com 50,4% dos votos.

Cristina Kirchner faz o sinal da vitória durante comemorações (Foto: Reuters) Além da vitória presidencial, o kirchnerismo foi o grande vencedor do pleito na Argentina e reconquistou a maioria na Câmara e no Senado argentinos, o que vai facilitar a aprovação de projetos importantes para o governo, além de ter vencido em 8 das 9 províncias (equivalente a estados) que tiveram eleição.   Nos discursos que fez logo após anunciada a vitória, Cristina Kirchner, como tem feito durante toda a campanha, lembrou do marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, morto há um ano, e pediu um governo de união.

"Sinto hoje a imensa responsabilidade de conduzir nosso país a que viva uma história diferente da dos últimos 200 anos. Quero apelar à vocação patriótica de todos os argentinos. Um país não se constrói apenas com dirigentes, mas com seu povo", disse.

Desafios

Mas apesar do amplo apoio popular, a economia é um desafio para a presidente no segundo mandato. Apoiada pelo forte crescimento do país nos últimos anos, o governo precisa conter os gastos públicos, potencializados por políticas para criar empregos, o aumento para aposentados e pensionistas em setembro e os programas sociais, um dos pilares do mandato.

Já a inflação, que o Indec (equivalente ao IBGE argentino) afirma ser de 10%, pode chegar a 25% ao ano, segundo analistas independentes.        

veja também