MENU

Alckmin esvazia secretaria que ficará com DEM

Alckmin esvazia secretaria que ficará com DEM

Atualizado: Quinta-feira, 28 Abril de 2011 as 8:11

O DEM receberá das mãos do governador Geraldo Alckmin uma Secretaria de Desenvolvimento Social esvaziada. Projetos importantes e com grande volume de recursos serão redirecionados para outras pastas.

O comando da secretaria será dado ao deputado federal Rodrigo Garcia (DEM-SP) como parte do acordo para manter a aliança entre democratas e tucanos no Estado.

Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), que comandava a pasta, passará a chefiar a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e levará parte dos programas sociais que desenhou para o novo endereço.

O governo planejava desembolsar, por meio da pasta de Desenvolvimento Social, cerca de R$ 3 bilhões em programas sociais até 2014.

Os investimentos serão mantidos, mas os projetos serão executados por outras estruturas. Por enquanto, só é certo que permaneçam na secretaria que será comandada pelo DEM os programas Viva Leite e Bom Prato.

Todos os programas de formação profissional e bolsas universitárias, que antes seriam coordenados pela Ação Social, passarão para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

A ampliação da rede de creches, por exemplo, cuja previsão de gastos é de R$ 1 bilhão, será feita pela Secretaria de Educação.

Apesar da redistribuição, os programas serão lançados em pacote, que terá o nome "Mais Social", em maio.

DIRETÓRIO

A reorganização das cadeiras no Palácio dos Bandeirantes é resultado da tentativa de Alckmin de conter a crise iniciada pelo prefeito Gilberto Kassab, que deixará o DEM para criar um novo partido, o PSD, com o apoio do vice-governador Guilherme Afif Domingos.

Por ter seguido o caminho de Kassab, Afif perdeu o comando da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e foi isolado do governo.

Em outra frente que visa conter o PSD, alckmistas decidiram dar cargos na executiva municipal do PSDB a 5 dos 7 vereadores que permaneceram na sigla. A bancada, que inicialmente tinha 13 vereadores, perdeu 6 membros nas últimas semanas, todos aliados de Kassab.

veja também